SOPRO CARDÍACO EM NEONATOS PORTADORES DE CARDIOPATIA CONGÊNITA

  • Jean Donizete Silveira TALIARI FUNEC; UNICASTELO; FEF
  • Brenda Caroline TEIXEIRA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
Palavras-chave: Recém-nascido, Cardiopatia congênita, Prevalência

Resumo

O sistema vascular se desenvolve na terceira semana, funcionando já na quarta semana de vida fetal. Uma alteração nesse período causa uma anomalia anatômica, desencadeando o sopro cardíaco (SC). O SC provoca ruídos anormais que são causados pela alteração da hemodinâmica. O presente estudo teve como objetivo identificar as alterações anatômicas mais frequentes em neonatos portadores de cardiopatia congênita (CC) com presença de sopros, por meio de análise da prevalência dos tipos de CC, da incidência das cardiopatias em nascidos vivos e mortos, e da frequência do aparecimento de sopro nos indivíduos com CC. Trata-se de uma revisão bibliográfica. Pesquisa limitada a humanos recém-nascidos, portadores de cardiopatias congênitas com pesquisas que abordavam a prevalência, publicadas dentro de dez anos, em idioma português. Foram registrados 104.343 casos, onde 691 tinham algum tipo de CC, diagnosticadas através de ausculta cardíaca, raio-x de tórax, ecocardiografia, eletrocardiografia e necropsia. As anomalias mais frequentes foram: Persistência do canal arterial (PCA) com 111 casos, comunicação interatrial (CIA) com 132 e comunicação interventricular (CIV) com 183, estenose pulmonar com 19, tetralogia de Fallot com 10 e o defeito septal atrioventricular total com 5 casos. Foram encontrados 51 natimortos cardiopatas, sendo que 12 apresentam CIA, 22 CIV e 17 PCA. Os autores que analisaram o SC estudaram 3.716 indivíduos, onde 256 apresentavam sopro, mas apenas 39 possuíam cardiopatia. A cardiopatia é a malformação com maior prevalência, sendo importante ter o conhecimento das mais frequentes, pois a maioria delas são incompatíveis com a vida após o nascimento.

Biografia do Autor

Jean Donizete Silveira TALIARI, FUNEC; UNICASTELO; FEF

Professor

Referências

AMORIM, L, F, P. et al. Apresentação das cardiopatias congênitas diagnosticadas ao nascimento: análise de 29.770 recém-nascidos. Jornal de pediatria. Rio de Janeiro, v.84, n.1, p.83-90, 2008. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572008000100014>. Acesso em: 22 de Abril de 2017.

ARAÚJO, J, S, S. et al. Cardiopatia Congênita no Nordeste Brasileiro: 10 Anos Consecutivos Registrados no Estado da Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Cardiologia. v.27, n. 1,p.13-19, 2014. Disponível em:< http://www.rbconline.org.br/wp-content/uploads/Art_146_RBC_27_1_Felipe_Mourato_Artigo_Original1.pdf>. Acesso em: 29 de Novembro de 2017.

GRAAFF, K, M, V. Anatomia humana.6.ed. São Paulo: Manole, 2002.

MOORE, K. L.; PERSAUD, T. V. N. Embriologia Clínica. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

OLIVEIRA, R. et al. Sopro Cardíaco Pediátrico: estudo de série de caso. Revista portuguesa de medicina geral e familiar.Lisboa, v.29, n.6, p.398, nov.2013. Disponível em<http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S2182-51732013000600008&script=sci_arttext&tlng=en> . Acesso em: 15 de Abril de 2017>.

PAULSEN, F.; WASCHKE, J. Sobotta: Atlas de anatomia humana, órgãos internos.23.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

RIVERA, I, R. et al. Cardiopatia Congênita no Recém-nascido: Solicitação do Pediatra à avaliação do Cardiologista. Arquivos Brasileiros de Cardiologia.v.89, n.1, p.6-10,2007. Disponível em: <http://www.faculdademedicina.ufpa.br/doc/Cardiopatia%20congenita%20no%20recem-nascido%20da%20solicitacao%20do%20pediatra%20a%20avaliacao%20do%20cardiologista.pdf >. Acesso em: 15 de Abril de 2017.

SANSOUCIE, D. A.; CAVALIERE, T. A. Trasitionfrom fetal toextrauterinecirulation. Neonat Network, 1997 apud MOORE, K. L.; PERSAUD, T. V. N. Embriologia Clínica. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A, 2000.

SEVERINO, A, J. Metodologia do trabalho científico.23.ed. São Paulo: Cortez editora, 2007.

Publicado
2018-08-22
Como Citar
TALIARI, J., & TEIXEIRA, B. C. (2018). SOPRO CARDÍACO EM NEONATOS PORTADORES DE CARDIOPATIA CONGÊNITA. UNIFUNEC CIÊNCIAS DA SAÚDE, 2(3), 65-72. https://doi.org/10.24980/rfcenf.v2i3.3295