DENSIDADE DEMOGRÁFICA E RENDA PER CAPITA: INDICADORES SOCIAIS QUE INFLUENCIAM NOS CASOS DE DENGUE EM UMA CIDADE DO INTERIOR PAULISTA

  • Claudia Lucia LIMA Fundação Municipal de Educação e Cultura - FUNEC / Centro Estadual de Educação Tecnológica no Centro Paula Souza - CEETEPS
  • Erika Cristina Silva Batista QUEIROZ Centro Estadual de Educação Tecnológica no Centro Paula Souza - CEETEPS
  • Geraldo José SANT'ANNA Centro Estadual de Educação Tecnológica no Centro Paula Souza - CEETEPS
  • Luiz Sergio VANZELA Universidade Camilo Castelo Branco - Unicastelo
Palavras-chave: Vigilância Ambiental em Saúde, Dengue, Indicadores Sociais

Resumo

A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no Brasil e no mundo, tendo como vetor transmissor o mosquito Aedes aegypti, cuja proliferação apresenta forte relação com fatores sociais. Sabendo que o município de Fernandópolis encontra-se entre os 25% dos municípios paulista com maiores números de casos de dengue e os fatores sociais são decisivos neste processo, o presente estudo tem como objetivo avaliar a influência de indicadores sociais nos casos positivos de dengue nesse município. Trata-se de pesquisa exploratória, com dados secundários, por meio de modelos matemáticos, utilizando a variável dependente (casos positivos de dengue) sobre as variáveis independentes (densidade demográfica e a renda bruta per capita), a pesquisa contou com a análise de 40 bairros no ano de 2011. E o desfecho mostrou que os bairros superpovoados e bairros com poucas construções favoreceram casos positivos de dengue. Sendo que a menor incidência de casos positivos ocorreu nos bairros com densidade demográfica média de aproximadamente 4800 hab km-2. Também observou-se que os casos de dengue tenderam a reduzir com o aumento da renda bruta per capita média, com 01 caso 1000-1 hab-1 para R$ 67,00 hab-1 mês-1.

Referências

AULT, S.K. Environmental management: a re-emerging vector control strategy. The American Society of Tropical Medicine and Hygiene. v.50, n. 6 Suppl., p. 35-49, jan. 1994. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2017.

ALMEIDA, A. S.; MEDRONHO, R. A.; VALENCIA, L. I. O. Analise espacial do dengue e o contexto socioeconômico no município do Rio de Janeiro, RJ. Rev. Saúde Pública, São Paulo – SP, v.43, n.4, p.666-73, ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2017.

BARBOSA, G.L.; LOURENÇO, R.W. Análise da distribuição espaço-temporal de dengue e da infestação larvária no município de Tupã, Estado de São Paulo. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. Uberaba-MG, v.43, n.2, mar./abr. 2010. Disponível: . Acesso em: 15 ago. 2017.

DÍAZ SANTOS, E. C.; BORREGO DÍAZ, L. R.; GONZÁLEZ SAPSIN, K. Comportamiento del dengue en cooperantes internacionalistas cubanos del municipio Bolívar en Venezuela Años 2004-2007. Rev Correo Científico Médico de Holguín, v.12, n.3, 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2017.

DONALÍSIO, M. R.; GLASSER, C. M. Vigilância entomológica e controle de vetores do dengue. Rev. Bras. Epidemiol. v.5, n.3, p. 259-72, Dec. 2002. Disponível: . Acesso em: 25 ago. 2017.

FLAUZINO, R. F. et al. Heterogeneidade espacial da dengue em estudos locais, Niterói, RJ. Rev. Saúde Pública, v.43, n.6, p.1035-43, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2017.

GOOGLE earth. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2018.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Brasília, 2010a. Disponível: . Acesso em: 10 ago. 2017.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. @cidades. Brasília, 2010b. Disponível:. Acesso em: 10 ago. 2017.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. @cidades. Brasília, 2013. Disponível: . Acesso em: 10 ago. 2017.

JARDIM, J. B.; SCHALL V. T. Prevenção da dengue: a proficiência em foco. Cad. Saúde Pública. v.25, n.11, p.2529-30, nov. 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2017.

LIMA, F.B. et al. Balanço hídrico climatológico normal ponderado para o município de Fernandópolis - SP. Apresentado no XVI Congresso Brasileiro de Agrometeorologia, set. 2009, Belo Horizonte - MG. Anais do Congresso Brasileiro de Agrometeorologia. Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de Agrometeorologia, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2017.

MACHADO, J. P.; OLIVEIRA, R. M., SOUZA-SANTOS R. Análise espacial da ocorrência de dengue e condições de vida na cidade de nova Iguaçu, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro – RJ, v.25, n.5, p. 1025-34, maio 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2017.

MARQUES, G. M. et. al. Programa de Controle de no Estado de São Paulo, SUCEN - Suplemento especial do Boletim Epidemiológico Paulista, ISSN 1806-4272, p. 36-9, ago. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Dengue: decifra-me ou devoro-te. Brasília – DF. Ed. Ministério da Saúde, 2007. 24p. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2017.

MEDRONHO, R. A. Geoprocessamento e saúde: uma nova abordagem do espaço no processo saúde doença. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 1995. Política de Saúde, 15

PERIAGO, M. R.; GUSMÁN, M. G. Dengue y dengue hemorrágico en las Américas. Rev Panam Salud Pública, v. 21, n.4, p.187-91, Apr. 2007. Disponível em: . Acesso em 24 ago. de 2017.

REBÊLO, J. M. M. et. al. Distribuição de Aedes aegypti e do dengue no Estado do Maranhão, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro – RJ, v.15, n. 3, p.477-86, jul./set. 1999. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2017.

ROLIM, G. de S. et al . Classificação climática de Köppen e de Thornthwaite e sua aplicabilidade na determinação de zonas agroclimáticas para o estado de São Paulo. Bragantia, Campinas - SP, v. 66, n. 4, p. 711-20, 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2017.

STRINI, E. J. Previsão da incidência de dengue por meio de redes neurais artificiais. [Monografia]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2017.

SUCEN-SP. Superintendência de Endemias de Fernandópolis. SUCEN 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2018.
Publicado
2018-03-22
Como Citar
LIMA, C., QUEIROZ, E., SANT’ANNA, G., & VANZELA, L. (2018). DENSIDADE DEMOGRÁFICA E RENDA PER CAPITA: INDICADORES SOCIAIS QUE INFLUENCIAM NOS CASOS DE DENGUE EM UMA CIDADE DO INTERIOR PAULISTA. UNIFUNEC CIÊNCIAS DA SAÚDE, 1(2), 25-37. https://doi.org/10.24980/rfcenf.v1i2.2704