CLIMA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA: UMA AVALIAÇÃO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

  • Caio GIACOMETTI Santa Casa de Santa Fé doSul
  • Denise Rossi FORESTO-DEL COL Fundação Municipal de Educação e Cultura - Funec
Palavras-chave: Eficiência Organizacional, Estresse Ocupacional, Psicologia industrial

Resumo

O clima organizacional é um conceito importante para a compreensão do modo como os colaboradores percebem aspectos da organização. Conhecer o grau de satisfação dos colaboradores é de grande valia, pois pode dar subsídio para tomadas de ações, preventivas e corretivas, do ponto de vista organizacional. O objetivo do presente estudo foi identificar os indicadores de estresse e clima organizacional de uma instituição hospitalar de médio porte. Trata-se de um estudo de campo descritivo com abordagem quantitativa. Foram aplicados três instrumentos: Questionário Sociodemográfico; Inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL); Escala de Clima Organizacional (ECO). A amostra foi composta por 15 participantes, sendo que 60% (9) são mulheres e 40% (6) são homens, e concentra-se na faixa etária dos 16 aos 51 anos, apresentou cinco domínios referentes ao clima organizacional, encontra-se com pouco nível de discrepância entre os domínios considerados, com médias indicando uma percepção mediana do clima organizacional. Ainda assim, podemos apontar o domínio “coesão entre colegas” como o melhor avaliado pelos sujeitos (Média = 4,00) e, em contrapartida, o domínio “recompensa” apresentou uma avaliação com (Média = 3,3). Os resultados obtidos no Inventário de Sintomas de Estresse para Adultos é de que 73% (11) dos colaboradores apresentam estresse e 27% (4) não apresentam estresse. Será necessário que haja estratégias de clima organizacional para promover a saúde e a diminuição de estresse, com o intuito de haver melhorias no clima e adotar medidas voltadas ao trabalho na prevenção do estresse e aumento do nível do clima, em especial, no fator “controle/pressão”.

Referências

CRUZ, C. Os desafios da liderança empresarial. Disponível em: <http://www.ogerente.com.br/novo/colunas_ler.php?canal=10&canallocal=33&canalsub2=107 &id=1035>. Acesso em: 09 set. 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOULART JUNIOR, E.; LIPP, M. E. N. Estresse entre professores do ensino fundamental de escolas estaduais. Psicologia em Estudo, Maringá, v.13, n.4, p.847-57, out./dez. 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722008000400023&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 09 set. 2015.

INOCENTE, N. J. Estresse ocupacional: origem, conceitos, relações e aplicações nas organizações e no trabalho. In: CHAMON. Gestão e comportamento humano nas organizações. Rio de Janeiro: Brasport, 2007. p. 146-79.

LIMONGI-FRANÇA, A. C.; RODRIGES, A. L. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. São Paulo: Atlas, 2005.

LIPP, M. E. N. Estudos sobre o stress. São Paulo: Instituto de psicologia e controle do stress, 2009. Disponível em: <http://www.estresse.com.br/> Acesso em: 10 jun. 2017.

_____. Manual do inventário de stress para adultos de Lipp. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

LIPP, M. E. N.; TANGANELLI, M. S. Stress e qualidade de vida em magistrados da justiça do trabalho: diferenças entre homens e mulheres. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.15, n.3, p.537-84, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722002000300008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 09 set. 2015

LIPP, M. Estresse emocional: a contribuição de fatores internos e externos. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 28, n. 6, p.347-349, 2001.

MARTINS, M. G. T. Sintomas de stress em professores brasileiros. Revista Lusófona de Educação. v. 10, p. 109-128, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-72502007000200009&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 09 set. 2015.

MARTINS, M. C. F. Clima organizacional. In: SIQUEIRA, M. M. M. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 29-40.

MOISEICHYK, A. E. Organizações enquanto cultura: um estudo de clima organizacional em uma empresa catarinense. 2000. Disponível em: <http://abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2000_E0040.PDF>. Acesso em: 09 set. 2015.

POLIT, D. F. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2004.

ROSSI, A. M. Estressores ocupacionais e diferenças de gênero. In: ROSSI, A. M.; PERREWÉ, P. L.; AUTER, S. L. Stress e qualidade de vida no trabalho: perspectivas atuais da saúde ocupacional. São Paulo: Atlas, 2005.

SIQUEIRA, M. M. M. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FERREIRA, P. I. Gestão de pessoas: clima organizacional e qualidade de vida no trabalho. Rio de Janeiro: LTC, 2017. Disponível em: Minha Biblioteca.

Publicado
2018-08-22
Como Citar
GIACOMETTI, C., & FORESTO-DEL COL, D. (2018). CLIMA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA: UMA AVALIAÇÃO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. UNIFUNEC CIÊNCIAS DA SAÚDE, 2(3), 5-17. https://doi.org/10.24980/rfcenf.v2i3.2689