ISOLAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE MICRORGANISMOS PATOGÊNICOS EM RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

  • Carmem Costa MARTINS Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Dora Inés KOZUSNY-ANDREANI Unicastelo
  • Elena Carla Batista MENDES Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
Palavras-chave: Gerenciamento de resíduos, Patogenicidade, Serviço de Saúde

Resumo

Os resíduos sólidos de serviços de saúde (RSS) é um fator preocupante para governantes, não pela quantidade gerada, mas pelo potencial de contaminação. O presente estudo teve como objetivo isolar e identificar micro-organismos patogênicos presentes nos Resíduos de Serviço de Saúde. Foram colhidas amostras de resíduos sólidos de saúde de três locais diferentes no município de Santa Fé do Sul-SP. Cada amostra foi diluída em solução salina (NaCl 0,5%) e, após este procedimento, 0,1mL de cada diluição foi inoculado a 37ºC. Foi realizada a contagem de colônias e avaliação das características das colônias com coloração de Gram para bactérias, azul de algodão para fungos e métodos bioquímicos. Constatou-se presença de vários micro-organismos patogênicos. Os resultados permitem sugerir que os micro-organismos presentes nos resíduos de serviços de saúde, se não possuírem um manejo adequado e não forem submetidos à descontaminação prévia antes do destino final, representam riscos à saúde humana e ao meio ambiente.

Referências

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, v.10, 2014, p.116.

BIDONE, F. R. A. Resíduos sólidos provenientes de coletas especiais: eliminação e valorização. Rio de Janeiro: Abes, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde. Brasília: ANVISA, 2006.

BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm>. Acesso em: 17 set. 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o Tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, [Internet] 20 abr 2005. Disponível: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35805.pdf>. Acesso em: 12 set 2015.

CAPUCCINO, J. G.; SHERMAN, N. Microbiolohy: a laboratory manual. 4. ed. The Benjamin/CCumings Publishing Company, Inc., 1996.

CETESB. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Sistemas de tratamento térmico sem combustão de resíduos de serviços de saúde contaminados biologicamente: procedimento. 2. ed. São Paulo: CETESB, 2011. p.19.

GESSNER, R. et al. O manejo dos resíduos dos serviços de saúde: um problema a ser enfrentado. Cogitare Enferm, v.18, n. 1, p. 117-123, 2013.

HIRAI, Y. Survival of bacteria under dry conditions: from a viewpoint of nosocomial infection. Journal of Hospital Infection, n. 19, p. 191-200, 1991.

LEVINSON, W.; JAWETZ, E. Microbiologia médica e imunologia. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MOREL, M. M.; BERTUSSI, L. A. Resíduos de serviços de saúde. In: Infecções hospitalares: prevenção e controle. São Paulo: Sarvier, 1997. p. 519-34.

NASCIMENTO, T. C. et al. Ocorrência de bactérias clinicamente relevantes nos resíduos de serviços de saúde em um aterro sanitário brasileiro e perfil de susceptibilidade a antimicrobianos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.42, n.4, p. 415-416, 2009.

NAZAR, N. W.; PORDEUS, I. A.; WERNECK, M. A. F. Gerenciamento de resíduos sólidos de odontologia em postos de saúde da rede municipal de Belo Horizonte. Revista Panamericana Salud Publica, v. 17, n.4, p. 237-242, 2005.

RUTALA, W. A.; ODETTE, R. L.; SAMSA, G. P. Manegement of infectious waste by us hospitals. The Journal of the American Medical Association, n. 262, p.1635-1640, 1989.

SALKIN, I. F.; KENNEDY, M. E. Review of health impacts from microbiological hazards in health-care wastes. Geneva: World Health Organization, 2001.

SILVA, A. C. N. et al. Critérios adotados para seleção e indicadores de contaminação ambiental relacionados aos resíduos sólidos de serviços de saúde: uma proposta de avaliação. Caderno de Saúde Pública, v. 18, n.5, p.1401-1409, 2002.

SOARES, S. R. et al. Avaliação da evolução microbiológica em resíduos hospitalares infecciosos. In: CONGRESSO INTERAMERICANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 27., 2000 Dez., Rio grande do Sul, Anais... Rio Grande do Sul: ABES; 2000, p. 1-10.

TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L. Microbiologia. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

Publicado
2018-08-22
Como Citar
MARTINS, C., KOZUSNY-ANDREANI, D., & MENDES, E. C. (2018). ISOLAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE MICRORGANISMOS PATOGÊNICOS EM RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE. UNIFUNEC CIÊNCIAS DA SAÚDE, 2(3), 29-37. https://doi.org/10.24980/rfcenf.v2i3.2168

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##