ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) E CUIDADOS DISPENSADOS PELO PROFISSIONAL DA SAÚDE PARA UMA BOA QUALIDADE DE VIDA: REVISÃO DE LITERATURA

  • Adriana Luiz Sartoreto MAFRA Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul - FUNEC
  • Adriana da SILVA
  • Carina Adriele BENTO
Palavras-chave: Esclerose Lateral Amiotrófica, Profissionais da Saúde, Qualidade de Vida

Resumo

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa caracterizada pela depleção progressiva dos neurônios motores superiores e inferiores. Nestes anos, modificações profundas no atendimento e tratamento para o doente de ELA ocorreram, além do reconhecimento que a mesma não afeta somente a pessoa com a doença, mas causa um profundo impacto na família e, especialmente, naquela pessoa mais próxima do paciente que, frequentemente torna-se o seu cuidador.  O objetivo do presente estudo foi definir o que é ELA traçando um breve relato epidemiológico da doença no mundo e no Brasil, descrevendo seu quadro clínico e etiológico, assim como seu diagnóstico e tratamento, buscando avaliar a qualidade de vida do doente e identificar os cuidados que devem ser realizados com o doente pelos profissionais da saúde. Para o alcance do objetivo geral e os específicos, optamos pelo método da revisão de literatura. O levantamento bibliográfico foi realizado pela Internet, no banco de dados Lilacs (Literatura Latino-Americana em Ciências de Saúde) e na base de dados BDENF (Base de Dados Bibliográficos Especializada na Área de Enfermagem do Brasil), consideradas as principais da área da saúde brasileira. Determinar quais são os fatores que causam impacto na vida dos indivíduos com ELA pode auxiliar na tomada de decisões e na elaboração de planejamentos e de intervenções, tratamento e serviços. Intervenções especificamente desenhadas para aumentar a efetividade da relação entre pacientes e cuidadores podem melhorar o bem-estar psicológico de ambas as partes.

 

Referências

ABRELA. ELA Esclerose Lateral Amiotrófica. Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica, Livretos – Informativo – Atualizado em 2013. São Paulo, 2013, 48 páginas Disponível em: http://www.abrela.org.br/PDF/AbrELA_LIVRETO_web.pdf. Acesso em nov. 2017.

ANEQUINI, I. P.; PALLESI, J. B., Avaliação das Atividades da ABRELA: Orientações oferecidas, recursos adquiridos? - Isabela Pessa Anequini e Juliana Brito Pallesi – São Paulo, 2005. x, 35f. Monografia (especialização) – Unifesp-EPM. Programa de Pós-Graduação em Intervenção Fisioterapêutica nas Doenças Neuromusculares. Disponível em: . Acesso em: nov. 2017

BANDEIRA, F. M.; QUADROS, N. N. C. de L.; ALMEIDA, K. J. Q. de; CALDEIRA R. de M., Avaliação da qualidade de vida de pacientes portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) em Brasília. Revista Neurociências 2010; 18(2): 133-138. Disponível em: . Acesso em Nov. 2017.

BETTINI, M. et al. Epidemiology of amyotrophic lateral sclerosis patients in a centre in Buenos Aires. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 69, n. 6, p. 867-870, dez. 2011, Disponível em:. Acesso em: Nov. 2017.

BELSH, J.M; SCHIFFMAN, P.L., The amyotrophic lateral sclerosis (ALS) patient
perspective on misdiagnosis and its repercussions. Journal of the neurological sciences, Aug. 1996; v.139 - Suppl: p.110-6. Disponível em: . Acesso em: nov. 2017.

BEGHI, E. et.al., A randomized controlled trial of recombinant interferonbeta-1a in ALS. Italian Amyotrophic Lateral Sclerosis Study Group. Neurology. 2000 Jan 25;54(2):469-74

BLEGER, J. Higiene e Psicologia Institucional. Porto Alegre, RS, Artes Médicas, 1984.

BOILLE, S.; VELDE, C.V.; CLEVELAND, D.W., ALS: a desease of motorneurons and their
nonneuronal neighbors. Neuron, Volume 52, Issue 1, p39–59, 5 October 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.neuron.2006.09.018. Acesso em: novembro de 2017.

BRAGA, A. C. M. dos A., Necessidades dos doentes portadores de esclerose lateral amiotrófica e seu cuidador principal. Sua influência na qualidade de vida. Dissertação de Mestrado, Mestrado Em Cuidados Paliativos, Universidade De Lisboa - Faculdade De Medicina De Lisboa. 2009, 131 Paginas. Disponível em: . Acesso em: nov. 2017.

BROOKS, B.R. et. al., for the World Federation of Neurology Group on Motor Neuron, El escorial revisited: revised criteria for thediagnosis of amyotrophic lateral sclerosis. Amyotroph Lateral Scler Other Motor Neuron Disorder. 2000 Dec;1(5):293-9. Disponível em: https://doi.org/10.1080/146608200300079536 Acesso em: novembro de 2017.

BURST. JCM. A prática da neurociência: das sinapses aos sintomas. 1ªed. Rio de
Janeiro: reichmann & Afonso; 2000.

DIETRICH-NETO, F.; et al. Amyotrophic lateral sclerosis in Brazil: 1998 national survey. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 58, n.3A, p. 607-615, set. 2000. Disponível em:.Acesso em: nov. 2017.

DOURADO JÚNIOR, M. E. T. Eletroneuromiografia: Estimativa do número de unidades motoras na ELA. Revista Neurociências, v. 14, n. 2, suplemento, abr./jun. 2006. Disponível em:. Acesso em:

ECHER, I. C., A revisão de literatura na construção do trabalho científico, Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 22, n. 2, p.5-20, jul. 2001. Disponível em: . Acesso em:

ESSLINGER, I., O paciente, a equipe de saúde e o cuidador: de quem é a vida, afinal? Um estudo acerca do morrer com dignidade. O Mundo da Saúde, v. 27, n. 3, p 373-382, jul.-set. 2003. Disponivel em: < http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=366535&indexSearch=ID>. Acesso em: nov. 2017.

FUGLSANG-FREDERIKSE A., Diagnostic criteria for amyotrophic lateral sclerosis (ALS), Clinical Neurophysiology, v. 119, n. 3, p. 495-496, mar. 2008. Disponivel em: . Acesso em: nov. 2017.

JEAMMET, P.; REYNAUD, M.; CONSOLI, S. Manual de psicologia médica. Belo Horizonte, MG: Masson, 1982.

JOHN Johnson. Causas e sintomas: Tudo sobre ELA – esclerose lateral amiotrófica. s/d. Disponível em: http://www.tudosobreela.com.br/oqueeela/causas.shtml?sessao=causas. Acesso em Nov. de 2017.

LINDEN JUNIOR, E.; LINDEN, D.; MATHIA, G. B.; de BROL, A. Maria; HELLER, Patricia; TRAVERSO, Maria Esther Duran; BECKER, Jefferson; SILVA FILHO, Irenio Gomes da. Esclerose Lateral Amiotrófica: artigo de atualização. Disponível em: file:///D:/Documents/ELA/10241-33617-1-PB.pdf. 2016. Acesso em nov. de 2017.

MACIEL, M. R. C. Portadores de deficiência a questão da inclusão social. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 51-56, jun. 2000. Disponivel em: . Acesso em: nov. 2017

MATOS, S. E. de; et al. Mortality rates due to amyotrophic lateral sclerosis in São Paulo City from 2002 to 2006. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 69, n. 6, p. 861-866, dec. 2011. Disponível em:. Acesso em: nov. 2017.

MARRONE, C. D., Drogas com maior potencial de uso na Esclerose Lateral Amiotrófica. Revista Neurociências, v. 14, n. 2, suplemento, abr./jun. 2006. Disponível em: . Acesso em: nov. 2017.

MELLO, M. P. de, O paciente oculto: qualidade de vida entre cuidadores e pacientes com diagnóstico de Esclerose Lateral Amiotrófica. Revista Brasileira de Neurologia, v. 45, n. 4, p.5-16, 2009. Disponível em: < http://files.bvs.br/upload/S/0101-8469/2009/v45n4/a5-16.pdf>. Acesso em: nov. 2017.

MITCHELL, J.D.; BORASIO, G.D., Amyotrophic lateral sclerosis, The Lancet, v. 369, n. 9578, p. 2031-2041, jun. 2007. Disponivel em: . Acesso em: nov. 2017.

MILLER RG, MITCHELL JD, LYON M, MOORE DH. Riluzole for amyotrophic lateral sclerosis (ALS)/motor neurondisease (MND). Cochrane Database Syst Rev. 2007

PEREIRA, R. D. B., Epidemiologia: ELA no Mundo, Revista Neurociências, v. 14, n. 2, p. 9-13, suplemento, abr./jun. 2006. Disponível em:. Acesso em:

PIEMONTE M E. Manual de Exercícios Domiciliares para Pacientes com Esclerose
Lateral Amiotrófica. Vol. 2. Manole, 2001.
POZZA AM, DELAMURA MK, RAMIREZ C, VALÉRIO NI, MARINO LHC, LAMARI NM.Conduta Fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica. São Paulo Medical
Jornal 2006; 124(6):350-4.

QUADROS, A. A. J. História da Esclerose Lateral Amiotrófica no Brasil, Revista Neurociências, v. 14, n. 2, p. 14-23, suplemento, abr./jun. 2006. Disponível em: . Acesso em: nov. 2017

ROCCO, R.P. Relação estudante de Medicina-paciente. In: MELLO FILHO, J. Psicossomática hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. p.45-56.

ROMANO, B. W. Princípios para a prática da Psicologia Clínica em hospitais, São Paulo, Casa do Psicólogo, 1999

ROSS MA MR, B. L. e. a. (1998). Towards earlier diagnosis of ALS. Revised criteria.
Neurology (50), 768 –772.
RDUNOVIC A, MITSUMOTO H, LEIGH PN. Clinical care of patients with amyotrophic lateralsclerosis. Lancet Neurology 2007; 6:913_25.
ROWLAND LP, SHNEIDER NA. Amyotrophic lateral sclerosis. N Engl J Med 2001; 344: 1688-700. Disponivel em: . Acesso em: nov. 2017.

SANCOVSKI, A.R.K. Efeitos da visita médica nos pacientes da enfermaria da Clínica Geral do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo. 2002. Tese de Doutorado – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: nov. 2017.

SILVA, H. C. A. da, Etiopatogenia da ELA: causa única ou várias causas?, Revista Neurociências, v. 14, n. 2, suplemento, abr./jun. 2006. Disponível em: < http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2006/RN%2014%20SUPLEMENTO/Pages%20from%20RN%2014%20SUPLEMENTO-4.pdf>. Acesso em: nov. 2017.

SILANI V, MESSINA S, POLETTI B, MORELLI C, DORETTI A, TICOZZI N, et al, editors. The diagnosisof amyotrophic lateral sclerosis. Archives Italiennes de Biologie2011; 149:5_27.

STEINER, A. L. de F., Profissionais de saúde na relação com os pacientes portadores de esclerose lateral amiotrófica: aspectos psicológicos e de qualidade de vida. 2008. 104 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo – SP, Disponivel em: . Acesso em: nov. 2017

SHOOK, S.J; PIORO, E.P., Racing against the clock: recognizing, differentiating,
diagnosing, and referring the amyotrophic lateral sclerosis patient. Annals of neurology. Jan. 2009; v. 65 Suppl 1: p.10-6.

TRENTINI, M.; PAIM, L. Pesquisa em enfermagem: Uma modalidade convergente-assistencial. Florianópolis: Editora da UFSC, 1999, p. 68.

VELDE CV, DION PA, ROULEAU GA. Amyotrophic lateral sclerosis: new genes, new models,and new mechanisms. F1000 Biology Reports 2011; 3:18.
Wijesekera LC, Leigh PN. Amyotrophic lateral sclerosis. Orphanet Journal Rare Disease
2009; 4:3.

VENTURIN, Gianina Teribele. Potencial terapêutico das células mononucleares da medula óssea em um modêlo experimental de esclerose lateral amiotrófica / GianinaTeribele Venturin. - Porto Alegre: PUCRS, Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós Graduação em Medicina e Ciências da Saúde. Área de Concentração: Neurociências., 2012. 152f. disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/4575/1/000443581-Texto%2BParcial-0.pdf. Acesso em Nov. 2017.
Publicado
2019-02-08
Como Citar
MAFRA, A. L. S., SILVA, A. da, & BENTO, C. A. (2019). ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) E CUIDADOS DISPENSADOS PELO PROFISSIONAL DA SAÚDE PARA UMA BOA QUALIDADE DE VIDA: REVISÃO DE LITERATURA. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR - ISSN 2318-5287, 7(9). https://doi.org/10.24980/rfcm.v7i9.3381