ECONOMIA CIRCULAR: SUA RELAÇÃO E CONTRIBUIÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE

  • Elizabethe Polizeli de Oliveira CRUZ
  • Sérgio AOKI
  • Fabiano Martin TIOSSI
  • Alexandre Tadeu SIMON
Palavras-chave: Economia Circular, Sustentabilidade, Diferenças e similaridades

Resumo

O objetivo desta pesquisa é apresentar as diferenças e similaridades entre sustentabilidade e economia circular de forma a evidenciar se há relação existente entre ambas e, em caso positivo, qual é essa relação. Na contemporaneidade, as empresas são movimentadas por um modelo econômico linear que produz, consome e descarta formando assim uma cadeia de resíduos cada vez maior e, consequentemente, aumentando o consumismo de modo geral. Devido a isso, a economia circular surge, com o propósito de diminuir os impactos negativos que se agravam, através de ações inovadoras que fortaleçam o desenvolvimento sustentável e desponta ainda como a melhor alternativa de contribuição à resolutividade dos problemas apresentados oriundos da economia linear. A elaboração deste estudo deu-se a partir de pesquisa exploratória classificada como bibliográfica. Pelos resultados, constatou-se que, além de diferenças e similaridades, há uma forte relação existente entre os termos, confirmada quando a literatura cita, dentre outros, que a economia circular surge como uma ferramenta de apoio à sustentabilidade, com o intuito de suprir as lacunas que esta ainda não foi capaz de preencher. Há diversos aspectos em comum entre os termos, mas há que se destacar novos quesitos apresentados pela economia circular, como por exemplo, a preocupação com a produção a partir de ciclos técnico e biológico. A economia circular também se destaca pela geração de novos empregos e por trazer vantagem competitiva para as organizações frente ao mercado e seus concorrentes, apresentando benefícios múltiplos à sociedade, ao meio ambiente e à economia.

Referências

AMATO NETO, J. (organizador). Sustentabilidade e produção: teoria e prática para uma gestão sustentável. São Paulo: Editora Atlas, 2011.

CARSON, R. Silent Spring, Boston: Houghton Mifflin; Cambridge, Mass.: Riverside Press, 1962.

CMMAD - Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro, RJ: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4245128/mod_resource/content/3/Nosso%20Futuro%20Comum.pdf> Acesso em: 21 abr. 2017.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca: seria um sinal de progresso se um canibal utilizasse garfo e faca para comer? São Paulo: Makron Books, 2001.

EMF - ELLEN MACARTHUR FOUNDATION. Towards the circular economy. V. 1: Economic and business rationale for an accelerated transition, 2012.

GEJER, L.; TENNENBAUM, C. Os três princípios do design circular Cradle to Cradle. São Paulo: Ideia Circular, 2017. E-book. Disponível em: <https://ideiacircular.com/os-tresprincipios-do-design-circular-cradle-to-cradle/>. Acesso em: 11 abr. 2017.

GEORGE, D. A. R.; LIN, B. C.; CHEN, Y. A circular economy model of economic growth.

Environmental Modelling & Software, v. 73, p. 60-63, nov. 2015. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.envsoft.2015.06.014> Acesso em: 18 mar. 2017.

GENG, Y.; DOBERSTEIN, B. Developing the circular economy in China: Challenges and opportunities for achieving 'leapfrog development'. International Journal of Sustainable Development & World Ecology. v. 15, n. 3, p. 231-239, 2008. Disponível em: <https://doi.org/10.3843/SusDev.15.3:6> Acesso em: 05 jun. 2017.

GIDDINGS, B.; HOPWOOD, B.; O’BRIEN, G. Environment, Economy and Society: Fitting them together into sustainable development. Sustainable Development, v. 10, n. 4, p. 187-196, nov. 2002. Disponível em: <https://doi.org/10.1002/sd.199> Acesso em: 30 jun. 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HOUSE OF COMMONS; ENVIRONMENTAL AUDIT COMMITTEE. Growing a circular economy: Ending the throwaway society. House of Commons / Environmental Audit Committee, Londres, 2014. Disponível em: <https://publications.parliament.uk/pa/cm201415/cmselect/cmenvaud/214/214.pdf> Acesso em: 01 jun. 2017.

OECD- ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT, Sustainable Materials Management: Making Better Use of Resources, OECD Publishing, Paris, 2012, Disponível em: <https://doi.org/10.1787/9789264174269-en> Acesso em: 01 jun. 2017.

LACY, P.; RUTQVIST, J. Waste to wealth: the circular economy advantage. Palgrave Macmillan Basingstoke: E-book, 2015. Disponível em: <https://link.springer.com/book/10.1057%2F9781137530707> Acesso em: 01 jun. 2017.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. edição. São Paulo, Atlas, 2006.

MORIOKA, S. N.; CARVALHO, M. M. de. Sustentabilidade e gestão de projetos: um estudo bibliométrico. Production, São Paulo, v. 26, n. 3, p. 656-674, set. 2016. Epub. 10-Nov-2015

Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/0103-6513.058912> Acesso em: 30 abr. 2017.

MARTINS, G. A.; PINTO, R. L. Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos. São Paulo: Atlas, 2001.

MEADOWS, D. H. et. al. The Limits to Growth, Universe Books, New York, 1972. Disponível em: <http://www.donellameadows.org/wp-content/userfiles/Limits-to-Growth-digital-scan-version.pdf> Acesso em: 18 mar. 2017.

NORMAN, W.; MACDONALD, C. Getting to the bottom of “Triple Bottom Line”. Virginia, EUA: Business Ethics Quarterly, v. 14, n. 2, p. 243-262, 2004. Disponível em: <http://faculty.wwu.edu/dunnc3/rprnts.Getting%20to%20the%20Bottom%20of%20the%20Triple%20bottom%20line.pdf> Acesso em: 18 mar. 2017.

OLIVEIRA, L. R.; MARTINS, E. F.; LIMA, G. B. A. Evolução do conceito de sustentabilidade: um ensaio bibliométrico. Relatório de Pesquisa em Engenharia de Produção, v. 10, n. 4, p. 1-17, 2010. Disponível em: <http://livrozilla.com/download/1194889> Acesso em: 18 mar. 2017.

RIBEIRO, F. M.; KRUGLIANSKAS, I. A Economia Circular no contexto europeu: Conceito e potenciais de contribuição na modernização das políticas de resíduos sólidos. Anais XVI ENGEMA - Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Universidade de São Paulo, 2014. Disponivel em: <http://www.engema.org.br/XVIENGEMA/473.pdf> Acesso em: 16 mar. 2017.

RSA - ROYAL SOCIETY OF ARTS. Investigating the role of design in the circular economy. Londres: RSA, 2014. (Report 01). Disponível em: <https://www.thersa.org/globalassets/images/projects/rsa-the-great-recovery-report_131028.pdf> Acesso em: 18 mar. 2017.

VELLANI, C. L.; RIBEIRO, M. de S. Sustentabilidade e contabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 6, n. 11, p. 187-206, jan./jun. 2009. ISSN 2175-8069. Disponível em: <https://doi.org/10.5007/2175-8069.2009v6n11p187> Acesso em: 18 mar. 2017.

WEBSTER, K. The Circular Economy: A Wealth of Flows. Genebra, Suiça, EMF - Ellen Macarthur Foundation, 2015.

Publicado
2018-10-24
Como Citar
Polizeli de Oliveira CRUZ, E., AOKI, S., Martin TIOSSI, F., & Tadeu SIMON, A. (2018). ECONOMIA CIRCULAR: SUA RELAÇÃO E CONTRIBUIÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR - ISSN 2318-5287, 7(9). https://doi.org/10.24980/rfcm.v7i9.3345