DROGADIÇÃO E TRANSICIONALIDADE: INTERVENÇÃO PSICANALÍTICA

  • Bárbara Castro Pecinelli CÉFALO
  • Alexandre dos Santos
Palavras-chave: Dependência, Drogadição, Transicionalidade

Resumo

Para um desenvolvimento satisfatório, a criança necessita de uma sustentação ambiental que viabilize conquistas de tarefas típicas do desenvolvimento rumo a um ser integrado e de uma confiança firmada no vínculo com a mãe, para que possa ser suportada sua falta nos processos de dependência rumo à independência relativa, bem como na fase de transicionalidade. Perturbações ocasionadas por um ambiente intrusivo poderão acarretar uma incessante busca a objetos que possam suprir o ego do sujeito. Estabelecer um bom contato com o mundo interno e externo, isto é, com os próprios sentimentos e com os que os cercam, é uma difícil tarefa encontrada por uma significativa parcela de dependentes químicos, em decorrência disto objetivou-se relacionar a drogadição humana a possíveis falhas nos processos de dependência absoluta e transicionalidade defendidos por Winnicott. Neste sentido, o desenvolvimento da pesquisa realizou-se por meio de uma revisão integrativa, utilizando-se de periódicos científicos indexados na base eletrônica do LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde) sendo restringido o uso de publicações do período entre 2006 a 2016. De acordo com os resultados obtidos, conclui-se que tal teoria contribui na visualização de falhas na maturação, que possibilitará ao analista atender as necessidades do paciente.

Referências

BRUSAMARELLO, Tatiana et al. Consumo de drogas: concepções de familiares de estudantes em idade escolar. SMAD - Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p. 01-19, feb. 2008. ISSN 1806-6976. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v4i1p01-19.

CASTILHO, P. T. Algumas considerações sobre o objeto na psicanálise de Winnicott e Lacan: do objeto transicional ao objeto pequeno a. Revista Estudos de Psicanálise, n. 37, p. 127-41, jul. 2012. Disponível em: . Acesso em:15 jun 2017.

DIAS, E. O. A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago, 2003

MENDES, K. D. D.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Revista Texto e Contexto Enfermagem, v. 17, n. 4, p. 758-764, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

MIGOTT, A. M. B. Dependência química: problema biológico, psicológico ou social? Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 3, p. 710-711, 2008. Disponível: . Acesso em: 15 jun. 2017.

OUTEIRAL, J. O. Transicionalidade e criatividade: rabiscos sobre o viver criativo. Jornal da Psicanálise, São Paulo, v. 43, n. 78, p. 91-8, jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

PRATTA, E. M. M.; SANTOS, M. A. O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evolução. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 25, n. 2, p. 203-11, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

RAUPP, L.; MILNITSKY-SAPIRO, C. Adolescência, drogadição e políticas públicas: recortes no contemporâneo. Revista Estudos de Psicologia, v. 26, n. 4, p. 445-54, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

SEDEU. R. L. Da toxicomania à adicção: uma abordagem relacional. Revista Estudos de Psicanálise, Belo Horizonte, n. 42, p. 107-20, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2017.

SOUSA, Patrícia Fonseca, et. al. Dependentes químicos em tratamento: um estudo sobre a motivação para mudança. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia, Ribeirão Preto, v. 21, n. 1, p. 259-68, jun. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.1-18 Acesso em: 15 jun. 2017.

SOUZA, M. A.; KALLAS, R. G.M. Análise da destrutividade em adictos a drogas: contribuição a uma abordagem psicoterapêutica. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia, Ribeirão Preto, v. 17, n. 2, p. 377-91, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

SZOBOT, C. M.; ROMANO, M. Co-ocorrência entre transtorno de déficit de atenção/hiperatividade e uso de substâncias psicoativas. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.56, supl. 1, p. 39-44, 2007. Disponível em: . Acesso em: 06 maio 2017.

WINNICOTT, D. W. Natureza humana. Rio de Janeiro: Imago, 1990
VORCARO, A.; LUCERO, A. O objeto transicional de Winnicott na formação do conceito de objeto a em Lacan. Revista Natureza Humana, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 15-32, 2015. Disponível em:. Acesso em: 15 jun. 2017
Publicado
2018-03-21
Como Citar
Castro Pecinelli CÉFALO, B., & dos Santos, A. (2018). DROGADIÇÃO E TRANSICIONALIDADE: INTERVENÇÃO PSICANALÍTICA. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR, 6(8), 132-146. https://doi.org/10.24980/rfcm.v6i8.2859