CONTRIBUIÇÕES DE WINNICOTT AO PROCESSO DE ADOÇÃO

UM RELATO DE CASO

  • Jussara Esteves Pereira
  • Lidiane Pinto Lunkes
  • Thiago Henrique Muniz Morilha
  • Denise Rossi Foresto Del Col
  • Rosângela Fátima da Costa
Palavras-chave: Adoção. Conflito Emocional. Relações Familiares.

Resumo

O processo terapêutico é um procedimento científico, em que são utilizados técnicas e testes psicológicos, podendo ser individual ou coletivo, com objetivo de intervenção psicológica mediante uma queixa. O principal objetivo desse processo é elucidar e elaborar conteúdos psicológicos, buscando classificar, prever e intervir no curso da queixa em questão. No caso da adoção e do conflito emocional, o processo terapêutico entra como importante instrumento no que concerne a compreensão e as estratégias a serem utilizadas para minimizar o sofrimento e a angústia. O presente trabalho trata-se de um relato de caso de uma criança adotada aos oito meses de vida, onde a principal queixa centralizou-se no comportamento agressivo e dificuldade em lidar com frustração. Os dados foram coletados e interpretados através do referencial psicanalítico winnicottiano. Os resultados obtidos no processo terapêutico evidenciaram condições ambientais adversas na fase de dependência absoluta, ocorrendo assim o comprometimento na integração da criança ao meio familiar e social. Isso se deu devido à criança ser gerada em um ambiente intrusivo, marcado por sérios desajustes, como, situação de extrema pobreza, falta de uma gestação planejada e assistida e dependência química da mãe biológica. Observou-se também, que a família adotiva não conseguiu desenvolver um ambiente no qual os conflitos inconscientes da criança pudessem ser elaborados, pois o colocavam no lugar de alguém que deveria ser poupado e atendido em seus anseios. Conclui-se que ma das possibilidades para um melhor desenvolvimento emocional dessa criança seria oferecer um ambiente facilitador que possibilitasse a resolução de tais conflitos.

Referências

AFFONSO, R. M. L.; GUEDES, F. F.; ARAÚJO, S. C. Ludodiagnóstico: a dependência química e a dinâmica familiar. Psicologia – O Portal dos Psicólogos. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 de junho de 2017.

ARAUJO, M. F. Estratégias de diagnóstico e avaliação psicológica. Revista Psicologia: Teoria e Prática, v. 9, n. 2, p. 126-141. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 de junho de 2017.

ARRUDA, S. L. S.; ANDRIETO, E. Mães psicóticas e seus bebês: uma leitura winnicottiana. Revista Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 61, n. 3, p. 97-106. 2009 . Disponível em: . Acesso em: 18 de junho de 2017

BAPTISTA, J.; SOARES, I.; HENRIQUES, M. Recuperação desenvolvimental após a adoção: características da criança e da família adotiva. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 26, n. 2, p. 396-404, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 de junho 2017.

BOLSSON, J. Z.; BENETTI, S. P. C. As manifestações de angústia e o sintoma na infância: considerações psicanalíticas. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 11, n. 2, p. 555-589. 2011 . Disponível em . Acesso em: 18 de junho de 2017.

COUTO, M. C. V.; DUARTE, C. S.; DELGADO, P. G. G. A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 30, n. 4, p. 390-398. 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 de junho de 2017.

FRANCO, M. G. S. D. C.; SANTOS, N. N. Desenvolvimento da Compreensão Emocional. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 339-348. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 de junho 2017.

GOMES, K. A adoção à luz da teoria winnicottiana. Winnicotti e-prints, v. 1, n. 2, p. 1-18. 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 de junho de 2017.


KRAHL, S.; MOREIRA, R. M.; ROLDO, E. A adoção na perspectiva psicanalítica. Revista Contemporânea – Psicanálise e Transdiciplinaridade, n. 9, p. 149-166. Disponível em: < http://www.revistacontemporanea.org.br/site/wp-content/artigos/artigo238.pdf>. Acesso em: 18 de junho de 2017.

MARINI, M. “Você poderá vomitar até o infinito, mas não conseguirá retirar sua mãe de seu interior” – psicanálise, sujeito e transtornos alimentares. Cadernos Pagu, v. 46, p. 373-409. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 de junho de 2016.

MENDES, D. M. L. F.; PESSOA, L. F. Comunicação afetiva nos cuidados parentais. Revista Psicologia em Estudo, v. 18, n. 1, p. 15-25. 2013. Disponível em: . Acesso em: 19 de junho de 2017.

MORELI, A. B.; SCORSOLINI-COMIN, F.; SANTEIRO, T. V. O “lugar” do filho adotivo na dinâmica parental: revisão integrativa de literatura. Revista Psicologia Clínica, v. 27, n. 1, p. 175-194. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 de junho de 2017.

MOURA, J. Winnicott - Principais Conceitos. Psicologado Artigos. 2008. Disponível em: . Acesso em: 16 de junho de 2017.

OLIVEIRA, S. V.; PRÓCHNO, C. C. S. C. A vinculação afetiva para crianças institucionalizadas à espera de adoção. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, v. 30, n. 1, p. 62-84, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 de junho de 2017.

SILVA, N. C. B.; NUNES, C. C.; BETTI, M. C. M.; RIOS, K. S. A. Variáveis da família e seu impacto sobre o desenvolvimento infantil. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia, v. 16, n. 2, p. 215-229. 2008. . Disponível em: . Acesso em: 17 de junho de 2016.
Publicado
2018-03-21
Como Citar
Esteves Pereira, J., Pinto Lunkes, L., Muniz Morilha, T. H., Rossi Foresto Del Col, D., & Fátima da Costa, R. (2018). CONTRIBUIÇÕES DE WINNICOTT AO PROCESSO DE ADOÇÃO. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR - ISSN 2318-5287, 6(8), 118-131. https://doi.org/10.24980/rfcm.v6i8.2840