ANÁLISE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DA CIDADE DE SANTA FÉ DO SUL– SP

  • Caio Fernando DIAS
  • Érick Vinícius Leonel PEREIRA
  • Vinicius Marcolino DIAS
  • Andreia Estela Moreira de SOUZA
Palavras-chave: Análise. Microbiológica. Estação Tratamento. Esgoto. Efluente.

Resumo

A qualidade e eficácia de uma estação de tratamento de esgoto (ETE) é regulamentada de acordo com os parâmetros físicos, químicos e microbiológicos. A qualidade do efluente final deve passar por um controle rigoroso quanto aos padrões pré-estabelecidos, diminuindo os riscos ambientais. Embora a ETE de Santa Fé do Sul seja monitorada pela CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) um estudo científico sobre sua eficácia nunca foi realizado. O presente trabalho objetivou avaliar a eficácia do tratamento de esgoto de uma Estação de Tratamento de Santa Fé do Sul/ SP como forma de analisar impactos resultantes no ambiente. Para isso, foram analisadas amostras de três pontos da ETE: chegada do esgoto, lagoa de depuração e efluente. Verificou-se a contaminação microbiológica pelo análise das unidades formadoras de colônias (UFC) em meio de cultura, pH, Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) e condições físicas do local. Em relação a DBO, o esgoto recebido é classificado como forte (DBO maior que 400 mg/L). O efluente (tratado) apresentou DBO 210 mg/L, com redução inferior a 60 mg/L ou inferior a 80% em relação ao inicial,  sendo inapto para lançamento no ambiente. O pH variou entre 7 e 9, estando dentro dos valores permitidos pela legislação vigente. A contaminação microbiana apresentou índices maiores do que o permitido pela legislação (109-1010 UFC/100mL). As bactérias predominantes foram principalmente bacilos gram-negativos. Os resultados indicam que o efluente da ETE analisada não está apto para lançamento, devendo o seu tratamento ser adaptado a fim de evitar impactos ambientais.

Referências

BRASIL. Distritito Federal – Brasilia. Portaria MS n.º 518 de 25 de março de 2004. Ministério da Saúde. Editora do Ministério da Saúde, v.1, p. 28, 2005.

BARROS, R. T. V. et al. Saneamento. Belo Horizonte: UFMG, Escola de Engenharia, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1995.

CONAMA-Conselho Nacional do Meio Ambiente. (Resolução nº 357) de 17 de março de 2005. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf. Acesso em 10 out. 2016.

OLIVEIRA ,C.S. SPERLING, V.Eng. Sanit. Ambient. Análise de confiabilidade de estações de tratamento de esgotos. 2007. Disponível em: Acesso em: 25 nov. 2015.

OMS. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde: Declaração de Alma-Ata, 1978. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004. . Relatório mundial de saúde, 2006: trabalhando juntos pela saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

_____. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n° 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA. 9 p. Disponível em: http://www.legislacao.mutua.com.br/pdf/diversos_normativos/conama/2011_CONAMA_RES_430.pdf. Acesso em: 05 out. 206..

SANTOS, P. P.; etal.Revista de Patologia Tropical. Qualidade microbiologica de afluentes e efluentes de estações de tratamento de agua e esgoto de Goiânia, Goiás. v.39(3), p. 173-187, 2010.

VON SPERLING, M. Introdução À qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: UFMG, Escola de Engenharia, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1996. (Princípios do tratamento biológico de águas residuárias, 1).
Publicado
2018-03-21
Como Citar
Fernando DIAS, C., Leonel PEREIRA, Érick V., Marcolino DIAS, V., & Moreira de SOUZA, A. E. (2018). ANÁLISE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DA CIDADE DE SANTA FÉ DO SUL– SP. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR, 6(8), 2-12. https://doi.org/10.24980/rfcm.v6i8.2331
Seção
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE