LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DAS ESPÉCIES ARBÓREAS DA ÁREA DE REFLORESTAMENTO DO CAMPUS II DA FUNEC – SANTA FÉ DO SUL/SP

  • Fernanda Yukari MITSUMORI "FUNEC"
  • Natallia Magri de SOUZA
  • Patricia MONTANHA
  • Douglas Costa MARTINS
Palavras-chave: Extratos Arbustivos, Recomposição Florestal, Sucessão Ecológica.

Resumo

O reflorestamento é um processo de recuperação de áreas degradadas pela força da natureza ou por ação humana. As áreas de reflorestamento são de grande importância para a recuperação das matas nativas e a identificação das espécies existentes no local representa uma importante etapa no conhecimento do ecossistema para estudos futuros. Para identificar as espécies que existem em um determinado local é feito o levantamento florístico que consiste em realizar uma lista completa das espécies de vegetais existentes em uma determinada área. Com base nessa problemática, esse trabalho objetivou desenvolver um levantamento das espécies arbóreas existentes da Área de Reflorestamento do Campus II da FUNEC – Santa Fé do Sul/SP, classificando-as de acordo com o papel que desempenham na sucessão ecológica como: pioneiras, secundárias e clímax. Para realização deste trabalho foram realizadas as identificações do extrato arbustivo das espécies encontradas no Campus, onde se identificou 575 espécies pertencentes a 27 famílias. A partir das espécies identificadas pode-se verificar que as famílias FABACEAE, ANACARDIACEAE, BIGNONACEAE e VERBENACEAE apresentam 65,4%, do total, sendo as mais representativas, e os outros 34,6% estão divididos em 22 famílias, além da presença de algumas espécies exóticas. Foram identificados na sucessão ecológica, 53% de pioneiras, 44% de secundárias, 2% de clímax e 1% não classificadas. Dessa maneira os resultados mostram que na recomposição florestal no Campus II não foram mantidos a sucessão ecológica, pois se encontram muitas plantas secundárias.

Referências

ALAMEDA, Viveiro (Ed.). Plantas Nativas e Exóticas. Disponível em: . Acesso em: 12 de julho. 2016.

BACHA, C. J. C.; BARROS, A. L. M. Reflorestamento no Brasil: evolução recente e perspectivas para o futuro. Scientia Forestalis, 2004. p. 191-203.

BRASIL. Resolução SMA nº 32, de 03 de abril de 2014. Anexo III - Orientação técnica para plantio em área total. Secretaria de Estado do Meio Ambiente, São Paulo, 2014.

GODOI, Simone. Levantamento Florístico das Espécies Arbóreas e Arbustivas das Universidade Metodista de Piracicaba – Campus Taquaral. [S. I.]: [s. n.], 2007. Disponível em: < http://www.unimep.br/phpg/mostraacademica/anais/5mostra/3/111.pdf >. Acesso em: 17 de maio 2016

GUEDES-BRUNI, R.R.; PESSOA, S.V.A. KURTZ, B.C. Florística e estrutura do componente arbustivo-arbóreo de um trecho preservado de floresta montana na reserva ecológica de Macaé de Cima. In: LIMA, H.C.; Guedes-Bruni, R.R. (Eds.). Serra de Macaé de Cima: Diversidade florística e conservação em Mata Atlântica. Rio de Janeiro, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 1997. p. 27-145.

LORENZI, Harri. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil, vol. 1. 5. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008.

LORENZI, Harri. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. vol. 2 .4. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2009.

LORENZI, Harri. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, vol. 3. 1. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2009.

MISSOURI Botanical Garden. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2016.

RODOLFO JUNIOR, et al. Análise da arborização urbana em bairros da cidade de Pombal no Estado da Paraíba. Rev. da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 3, n. 4, p. 3-19, 2008.

WIKIPÉDIA, A ENCICLOPÉDIA LIVRE. Santa Fé do Sul. Disponível em: . Acesso em 15 abr. 2016.
Publicado
2018-03-21
Como Citar
MITSUMORI, F., SOUZA, N., MONTANHA, P., & MARTINS, D. (2018). LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DAS ESPÉCIES ARBÓREAS DA ÁREA DE REFLORESTAMENTO DO CAMPUS II DA FUNEC – SANTA FÉ DO SUL/SP. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR, 6(8), 86-102. https://doi.org/10.24980/rfcm.v6i8.2240
Seção
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>