CARACTERÍSTICAS FITOTERAPÊUTICAS DA ALOE VERA

  • José Ricardo Sampaio Souza Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul - FUNEC/FISA
  • Rai Henrique da Silva Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul - FUNEC/FISA
  • João Aldo ZANACHI
Palavras-chave: Fitoterapia, Babosa, Aloe vera.

Resumo

SOUZA, J. R. S.; SILVA, R. H. AS CARACTERÍSTICAS FITOTERAPÊUTICAS DA ALOE VERA. 2015. 21f. Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Biológicas das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul – FUNEC. Santa Fé do Sul – SP, 2015.

 

A fitoterapia é a utilização de plantas para tratamento de enfermidades. Essa técnica de tratamento evolui-o junto com a espécie humana, mas sem perder a forma tradicional de preparo, que é passado de geração a geração. No Brasil, por ser um país multicultural, ocorrem muitas maneiras de preparo para a mesma planta, como é o caso da Aloe vera, conhecida popularmente como babosa. Este estudo tem como referência a pesquisa descritiva exploratória bibliográfica com o objetivo descrever as características terapêuticas da Aloe vera, planta originaria de regiões tropicas e utilizada a milhares de anos pela humanidade para fins terapêuticos ou estéticos. Foram catalogadas mais de 300 espécies, porém as com maior utilização são as espécies Aloe arborescens e Aloe barbadensis. No gel mucilaginoso do interior de suas folhas é encontrado um complexo de substancias como vitaminas, aminoácidos e polissacarídeos; que são responsáveis pela ação cicatrizante, antimicrobiana, anti-inflamatória, imunomoduladora, antioxidante e hidratante. Atualmente vem sendo utilizada na fabricação de cosméticos, produtos de limpeza, pomadas e sucos nutritivos. Apesar de muitos pesquisadores defenderem o uso da babosa e seus poderes terapêuticos, em novembro de 2011 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu a comercialização de produtos à base da Aloe vera para fins alimentícios, alegando que não há comprovação cientifica e a existência de substancias mutagênicas com ação ao longo prazo, assim sendo, legislação atualmente permitiu apenas o externo como fitoterápico e a liberação do seu uso interno (Oral) somente como aromatizante e corante no ramo de alimentos.

 

Palavras chaves: Fitoterapia. Babosa. Aloe vera.

 

 

 

Biografia do Autor

José Ricardo Sampaio Souza, Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul - FUNEC/FISA
Ciências Biologicas

Referências

ANVISA. Esclarecimentos sobre comercialização de Aloe vera (babosa) e suas avaliações de segurança realizadas na área de alimentos. Informe técnico n. 47, de 16 de novembro de 2011 Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/c66ea5804924c8f49d829f14d16287af/ Informe_Tecnico_n_47_de_16_de_novembro_de_2011.pdf?MOD=AJPERES. Acesso em: 02 de setembro de 2015.

ALMEIDA, M. Z. de. Plantas Medicinais\ Maria Zélia de Almeida. 3.ed. Salvador: EDUFBA, 2011. 221 p.to

BONTEMPO, Marcio O livro definitivo da Aloe Vera, a planta milenar da saúde/ Marcio Bontempo – Brasília, Thesaurus, 2012. 104p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Relatório de Gestão 2006/2010: Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota Técnica Nº 244/2013 – Brasília. Agosto de 2013. Disponível em http://u.saude.gov.br/images/pdf/2014/agosto/13/Babosa--Aloe-vera--L.)%20Burm.%20f.pdf. Acesso em 19 de setembro de 2015.


CARVALHO, A. C. B.; BALBINO, E. E.; MACIEL, A. P. J. P. S. Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia 18(2):314- 319, 2008.

CARVALHO, J.C.T. Formulário Médico Farmacêutico de Fitoterapia. 2.ed. Editora Pharmabooks. São Paulo, 2005. 404p.

CORREA JÚNIOR, C.; MING, L. C.; SCHEFFER, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. Curitiba: Emater-Paraná, 1991.

FRAGA, C. A. M. Razões da atividade biológica: Interações micro- e biomacro-moléculas. Em: TORRES, B.B. e BARREIRO, E.J. (Eds.). Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola, n. 3, p. 33-42, 2001.

FALKENBERG, L. B. Grupos de metabólitos vegetais. Quinona. In: Simões CMO, Schenkel EP, Gosmann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR (Org). Farmacognosia da planta ao medicamento. Porto Alegre: Editora da UFSC, 2007. p.675.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil – Nativas e exóticas. 2.ed. São Paulo: Instituto Plantarum, 2008. 244p.

MATOS, F. J. A. Farmácias vivas: Sistema de utilização de plantas medicinais - projeto para pequenas comunidades. 4.ed. Fortaleza: Editora UFC; 2002.

MORAIS, S. M. et al. Plantas medicinais usadas pelos índios Tapebas do Ceará. Rev. bras. farmacogn. João Pessoa, v. 15, n. 2, junho 2005.

NOGUEIRA, MJC. Fitoterapia e enfermagem comunitária. Rev. Esc. EnFUSP. 1983.

PEUSER, Michael. Os capilares determinam nosso destino: Aloe, imperatriz das plantas medicinais, fonte de vitalidade e saúde. Diadema, SP: St. Hubertus Produtos Naturais, 2003.

PIGATTO, P. D.; GUZZI, G. Aloe ligada à disfunção da tireóide. Archives of Medical Research, 36 (5): 608, 2005.

RODRIGUES, A. G.; DE SIMONI, C. Plantas medicinais no contexto de políticas públicas. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 31, n. 255, p. 7-12, mar./abr. 2010.

SILVA, A. R. Aromaterapia em dermatologia e estética. Editora, São Paulo, Roca 2004.

SIMÕES, C. M. O. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da UFRGS/Editora da UFSC, 2004. 1102p.

STEVENS, N. O Poder Curativo da Babosa, 1999. Disponível em: http://www.naturama online.com.br/babosa/. Acesso em: 02 set. 2015.

TESKE, M.; TRENTINI, A. M. M. Herbarium - Compêndio de Fitoterapia. 3.ed. Curitiba: Herbarium Laboratório Botânico, 1997. 317p.

ZAGO, R. Câncer tem cura. 37. ed — Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

WOLFE, D. Superalimentos - A alimentação e os remédios do futuro. 1.ed. 2010. p.175-184.
Publicado
2018-03-21
Como Citar
Souza, J. R., da Silva, R., & ZANACHI, J. A. (2018). CARACTERÍSTICAS FITOTERAPÊUTICAS DA ALOE VERA. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR - ISSN 2318-5287, 6(8), 23-39. https://doi.org/10.24980/rfcm.v6i8.2237
Seção
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##