INCIDÊNCIA DE INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE

  • Fabrício Rota FRANÇA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Thaise Lucimara Hauchde Oliveira BRAZ Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Elena Carla Batista MENDES Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec

Resumo

INTRODUÇÃO: As Infecções Hospitalares em Unidade de Terapia Intensiva estão
relacionadas ao estado clínico dos pacientes, procedimentos invasivos, tempo de internação
prolongado e colonização por microrganismos resistentes. OBJETIVO: O objetivo do
presente estudo foi identificar a incidência de infecção hospitalar em uma unidade de terapia
intensiva, distribuição por microrganismo e suas sensibilidades antimicrobiana.
METODOLOGIA: Trata-se de um estudo retrospectivo, documental de abordagem
quantitativa. Foi realizado levantamento dos índices de infecção hospitalar em pacientes da
Unidade de Terapia Intensiva (UTI) registradas em fichas de notificação Serviço de Controle
de Infecção Hospitalar (SCIH), no período de abril a dezembro de 2016. RESULTADO:
Foram analisadas culturas de 120 pacientes internados no período de abril a dezembro de
2016, sendo 61 (50,83%) do sexo masculino e 59 (49,17%) do sexo feminino. Foram
identificados vários microrganismos em diferentes culturas, sendo eles E. coli, Klebsiella
pneumoniae, Staphylococcus coag neg, Acinetobacter baumanni e Pseudomonas auruginosa.
A maioria dos microrganismos são sensíveis a amicacina, ampicillin/sulba, ceftazidima,
ceftriaxona, imipenem, piperacillin e sulfazotrim. A incidência de pneumonia associada a
ventilação mecânica foi de 22,11% e de Infecção urinária associada a um cateter vesical de
demora foi de 6,34% no período pesquisado. CONCLUSÃO: Pode-se observar que os
microrganismos identificados são comuns na maioria das Unidade de Terapia Intensivas, a
incidência de infecção é baixa, com relação aos índices estipulados pelo Ministério da Saúde.
Não foi possível analisar a incidência de infecção relacionado a cateter venoso central, uma
vez que não possui documentos e culturas de ponta de cateter e registros nos documentos do
Serviço de Controle de Infecção Hospitalar.

Publicado
2018-05-24
Como Citar
FRANÇA, F. R., BRAZ, T. L. H. O., & MENDES, E. C. B. (2018). INCIDÊNCIA DE INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE. ANAIS DO FÓRUM DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO UNIFUNEC, 8(8). Recuperado de https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=forum&page=article&op=view&path[]=3216