DIREITOS E ALTERNATIVAS DE COMBATE A PRÁTICA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

  • Maria Luiza Neris SILVA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Pedro Afonso da Costa SCHREINER Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Jessica Caroline Coelho CAIREZ Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Elaine Doro Mardegan COSTA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
Palavras-chave: Mulher, Violência, Sociedade

Resumo

INTRODUÇÃO: Apesar das grandes conquistas já realizadas a violência contra a mulher
ainda apresenta repercussão nos dias atuais, sejam morais, psicológicas ou físicas, já que
muitas mulheres ainda clamam por socorro em silêncio, mas mesmo assim, ainda persiste. A
visibilidade desse tipo de violência não tem sido suficiente para impedir que indivíduos
medianamente informados aleguem não conhecer a problemática. Isso pode ser considerado
uma violência social induzida por uma sociedade que mantém privilégio das relações
patriarcais, cuja dominação do homem ainda permanece sobre a mulher. OBJETIVO:
Objetivou-se enfatizar a importância e direitos das mulheres para apresentar alternativas que
possa evitar a prática da violência contra a mulher. METODOLOGIA: Efetuou-se revisão
integrativa realizada por meio de analises em 4 artigos disponíveis no banco de dados Scielo e
Google Acadêmico, cujo período foi de 2006 à 2010 pelos descritores: Mulher. Violência.
Sociedade. RESULTADO: Verificou-se que o descaso e negligência das autoridades são
responsáveis por tirar vida de diversas mulheres ou torna-las destruídas psicologicamente,
fisicamente e moralmente. É necessário que ocorra preservação dos direitos das mulheres com
intervenção imediata. Para isso, é essencial o cumprimento das leis já estabelecidas com
criação de estratégias que auxiliam no combate a morte de mulheres inocentes. É de
fundamental importância medidas estruturadas e planejadas que estimulem à mobilização
urgente de diversos setores sociais e ostentação do Estado a fim de multiplicar esforços de
todos os setores para deter, prevenir ou acabar com a prática da violência de gênero.
CONCLUSÃO: Portanto, o problema é complexo, envolve necessidade de conscientização e,
principalmente, implantação de medidas judiciais, econômicas, administrativas, sociais e
culturais para buscar alternativas de combate a este problema grave do nosso tempo. Logo, a
prevalência de direitos torna-se primeiro passo para evitar a prática da violência contra a
mulher.

Publicado
2018-05-21
Como Citar
Neris SILVA, M. L., Afonso da Costa SCHREINER, P., Coelho CAIREZ, J. C., & Doro Mardegan COSTA, E. (2018). DIREITOS E ALTERNATIVAS DE COMBATE A PRÁTICA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. ANAIS DO FÓRUM DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO UNIFUNEC, 8(8). Recuperado de https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=forum&page=article&op=view&path[]=3059