SOPRO CARDÍACO EM NEONATOS PORTADORES DE CARDIOPATIA CONGÊNITA

  • Brenda Caroline TEIXEIRA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Jean Donizete Silveira TALIARI Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
Palavras-chave: UTI neonatal, Cardiopatia congênita

Resumo

INTRODUÇÃO: O sistema cardiovascular se desenvolve na terceira semana, funcionando já
na quarta semana de vida fetal. Uma alteração nesse período causa uma anomalia anatômica,
desencadeando o sopro cardíaco (SC). O SC provoca ruídos anormais provocados pela
alteração da hemodinâmica. OBJETIVO: O presente estudo teve como objetivo identificar as
alterações anatômicas mais frequentes em neonatos portadores de cardiopatia congênita (CC)
com presença de sopros, através da análise da prevalência dos tipos de CC, da incidência das
cardiopatias em nascidos vivos e mortos, e da frequência do aparecimento de sopros nos
indivíduos com CC. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão bibliográfica, que utiliza
dados através do levantamento literário. Pesquisa limitada a neonatos portadores de CC em
ambientes hospitalares, publicadas dentro de dez anos, em idioma português RESULTADO:
Foram registrados 35.028 casos, onde 699 tinham algum tipo de CC, diagnosticadas através
de ausculta cardíaca, ecocardiografia, eletrocardiografia e necropsia. As anomalias mais
frequentes foram: Persistência do canal arterial (PCA) com 147 casos, comunicação interatrial
(CIA) com 140 e comunicação interventricular com 140. A pesquisa que estudou os
natimortos encontrou 51 natimortos cardiopatas, sendo que 12 apresentavam CIA, 22 CIV e
17 PCA. Os estudos que utilizaram o SC analisaram 5.258 indivíduos, onde 440 apresentavam
sopro. CONCLUSÃO: Conclui-se que a CC é uma má formação que provoca a alteração da
hemodinâmica, gerando assim ruídos anormais. Condição que só gera impacto após o
nascimento, pois a partir desse momento o sistema cardiovascular do neonato passa a
trabalhar de forma independente e tem a função de suprir todas as suas necessidades. As
alterações anatômicas encontradas com mais frequência foram: CIA, CIV e PCA, a CIA e
PCA são comuns na vida pré-natal, mas devem desaparecer após o nascimento. Já a CIV não
é uma característica anatômica fetal, sendo considerada uma má formação desde a vida
embrionária

Publicado
2018-05-18
Como Citar
TEIXEIRA, B. C., & TALIARI, J. D. S. (2018). SOPRO CARDÍACO EM NEONATOS PORTADORES DE CARDIOPATIA CONGÊNITA. ANAIS DO FÓRUM DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO UNIFUNEC, 8(8). Recuperado de https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=forum&page=article&op=view&path[]=3014