SEDAÇÃO MÍNIMA INALATÓRIA EM PACIENTE COM PARALISIA CEREBRAL: RELATO DE CASO CLÍNICO

  • Ana Carolina Martins QUEIROZ Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Juliana Barbosa de SOUZA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Adelice Lara Sobrinho de QUEIROZ Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Bianca Paes Pereira FONTOURA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Carolina Simonetti LODI Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
Palavras-chave: Sedação, Inalatória, Óxido, Nitroso

Resumo

INTRODUÇÃO: A sedação inalatória mínima a moderada em pacientes com medo e
ansiedade é uma realidade na odontologia. A mistura óxido nitroso/oxigênio (N20/02) ajuda
no relaxamento do paciente, diminui o limiar de dor, sendo uma opção quando o controle
comportamental não é suficiente, permitindo atendimento no caso de pessoas com deficiência
como a paralisia cerebral, podendo configurar como um diferencial importante no manejo do
comportamento. OBJETIVO: Este estudo teve como objetivo apresentar informações
atualizadas sobre o uso da sedação inalatória na odontologia e descrever um caso clínico de
assistência do paciente com paralisia cerebral. Foram elencados aspectos como história do
óxido nitroso, sinais e sintomas, vantagens, desvantagens, indicações, contraindicações, riscos
ocupacionais, aplicabilidade na odontologia e descrição da técnica. METODOLOGIA: No
relato de caso, foi apresentada paciente do sexo feminino, 38 anos, com PC, que necessitava
de implantes dentários na região antêro-superior, uma vez que seus pais desejavam reabilitar o
sorriso da paciente. Foi realizada a cirurgia para a instalação de 2 implantes, também a
colocação de cicatrizadores, posterior moldagem e instalação dos elementos protéticos,
sempre sob sedação inalatória em média a cerca de 605 de N2O. RESULTADO: Os
resultados foram positivos na execução dos procedimentos clínicos, e nível de sedação
suficiente para permitir a assistência odontológica da paciente de forma segura e eficaz.
CONCLUSÃO: Pode-se concluir que a sedação mínima inalatória com óxido nitroso é uma
técnica de fácil aplicação, que auxilia no controle do medo e da ansiedade do paciente com
necessidades especiais, podendo então ser utilizada com eficácia também em pessoas com
deficiências como a paralisia cerebral.

Publicado
2018-05-15
Como Citar
QUEIROZ, A. C. M., SOUZA, J. B. de, QUEIROZ, A. L. S. de, FONTOURA, B. P. P., & LODI, C. S. (2018). SEDAÇÃO MÍNIMA INALATÓRIA EM PACIENTE COM PARALISIA CEREBRAL: RELATO DE CASO CLÍNICO. ANAIS DO FÓRUM DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO UNIFUNEC, 8(8). Recuperado de https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=forum&page=article&op=view&path[]=2978