INGESTÃO DE CÁLCIO EM PORTADORAS DA PRÉ-ECLÂMPSIA

  • Keile Cristiane Cantário FEJES Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Camila Miguel Cassimiro LINO Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Elias Assis de LIMA NETO Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Elisandra de Mello DÉO Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
Palavras-chave: Pré-eclampsia, Hipertensão, Cálcio, Suplementação

Resumo

INTRODUÇÃO: A pré-eclâmpsia constitui uma das principais causas de morbimortalidade
materna no Brasil. É uma doença hipertensiva gestacional caracterizada pelo surgimento de
hipertensão diastólica, a partir da vigésima semana de gestação, associada a proteinúria e
edema. Em algumas mulheres, ela pode surgir durante o parto e em outras depois. Sua
etiologia é multifatorial, contudo foram definidos alguns fatores de risco: idade materna
avançada, tabagismo, etnia, obesidade, histórico familiar com pré-eclâmpsia, mulheres
hipertensas, gravidez múltipla, entre outros. Estudos começam a apontar a deficiência do
cálcio como sendo um dos fatores predisponente da doença, pois populações com baixa
ingestão desse mineral apresentou uma maior incidência da pré-eclâmpsia. OBJETIVO:
Revisar o conhecimento científico atual acerca da relação entre ingestão do cálcio e a
prevenção da pré-eclâmpsia. METODOLOGIA: Foram revisados artigos científicos por meio
das bases de dados eletrônicos, Scielo e Cochrane, sobre as inter-relações entre o consumo de
cálcio e a pré-eclâmpsia. RESULTADO: A má adaptação placentária é a fisiopatologia para o
surgimento da pré-eclâmpsia. Contudo, a origem da doença é multifatorial e envolve também
fatores nutricionais, dentre os quais a baixa ingestão do cálcio na dieta da gestante. Estudos
epidemiológicos têm demonstrado que a suplementação do cálcio parece ser uma estratégia
eficaz na redução e prevenção da doença, porém não se tem uma definição exata do momento
ideal para iniciar a suplementação, mas sim durante toda a gestação quando for necessário.
CONCLUSÃO: Conclui-se então que, gestantes com risco maior de desenvolverem a préeclampsia,
a suplementação do cálcio tem sido efetivo quando usado principalmente em
populações com baixa ingestão desse mineral, pois ele atenua a sensibilidade ao sal e reduz a
pressão sanguínea. É importante lembrar que uma nutrição adequada é eficaz para gestantes
hipertensas, pois através dela receberá todos os nutrientes necessários, porém quando não há
possibilidade em consumir alimentos ricos em cálcio, a suplementação é necessária.

Publicado
2018-05-11
Como Citar
FEJES, K. C. C., LINO, C. M. C., LIMA NETO, E. A. de, & DÉO, E. de M. (2018). INGESTÃO DE CÁLCIO EM PORTADORAS DA PRÉ-ECLÂMPSIA. ANAIS DO FÓRUM DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO UNIFUNEC, 8(8). Recuperado de https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=forum&page=article&op=view&path[]=2939