A RELAÇÃO ENTRA A FRUTOSE E DOENÇAS HEPÁTICAS NÃO ALCOÓLICAS

  • Cinthia Bonfim DIAS Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Melina Ciriaco Gonçalves de OLIVEIRA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Elisandra de Mello DÉO Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
Palavras-chave: Frutose, Hepatopatia, Industrializados

Resumo

INTRODUÇÃO: Tendo em vista nos últimos anos, principalmente em países não
desenvolvidos, o grande aumento da ingestão de frutose em decorrência dos produtos
industrializados que utilizam frutose como adoçante, é preciso atenção a erros metabólicos
que podem ocorrer pelo excesso no consumo desses nutrientes. OBJETIVO: Este trabalho
teve como objetivos descrever as principais alterações metabólicas causadas pelo excesso de
frutose, mostrar quais as fontes mais prejudiciais desse monossacarídeo, e explicar os ricos de
alterações hepáticas decorrentes dessa ingestão. METODOLOGIA: Para realização desse
trabalho, foram realizadas pesquisas de revisão em artigos científicos, com base nos dados
eletrônicos publicados pela Scielo, sobre o metabolismo da frutose e doenças hepáticas.
RESULTADO: Observou-se que o açúcar é encontrado em quase tudo, desde xarope de
milho, suco de frutas, xarope de agave e mel. Que quando consumida em excesso, como
ocorre no mundo moderno, pelo grande consumo de industrializados, é altamente lesiva.
Causa o mesmo tipo de lesão que o álcool pode gerar no seu corpo, em especial no seu fígado.
Isso porque a frutose é metabolizada primeiro no fígado, ao contrário dos demais açucares,
que podem ser metabolizados em qualquer célula do corpo. Ela se transforma primeiramente
em gordura, ao invés de energia para célula, como é o caso da glicose. Por outro lado, as
frutas in natura, por trazerem a frutose combinada com as fibras, minerais e vitaminas, não
causam a mesma alteração, pois tem uma absorção intestinal mais lenta, assim como é mais
lento sua metabolização do fígado. CONCLUSÃO: Conclui-se que a frutose encontrada nos
alimentos in natura, em quantidades adequadas, não tem efeitos prejudiciais para o nosso
organismo. Entretanto, é importante lembrar que quando consumida em excesso,
especialmente de produtos industrializados, é um grande percursor de lipídeos, inflamações e
doenças hepáticas.

Publicado
2018-05-11
Como Citar
DIAS, C. B., OLIVEIRA, M. C. G. de, & DÉO, E. de M. (2018). A RELAÇÃO ENTRA A FRUTOSE E DOENÇAS HEPÁTICAS NÃO ALCOÓLICAS. ANAIS DO FÓRUM DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO UNIFUNEC, 8(8). Recuperado de https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=forum&page=article&op=view&path[]=2917