SEXUALIDADE NA INFÂNCIA: FAMÍLIA, INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL E PROFESSORES

  • Katiane Aparecida da SILVA
  • Georgea Suppo Prado VEIGA
Palavras-chave: Sexualidade, Sexualidade. Infância. Professores. Família., Infância, Professores, Família

Resumo

A sexualidade é um tema pouco discutido entre os integrantes das instituições de educação infantil. A sexualidade está presente na vida da criança logo ao nascer, em suas experiências de amamentação com a mãe (KUPFER, 2007) e se desenvolve ao longo do crescimento. Desta forma este trabalho tem como objetivo identificar as maneiras como as instituições de Educação Infantil devem abordar o tema sexualidade que faz parte da vida das crianças. Como os profissionais que trabalham com essas crianças devem se preparar para responder aos questionamentos que os pequenos fazem e também como devem conversar com as famílias, pois o tema deve ser trabalhado numa parceria entre instituição de ensino, professores e família. A metodologia utilizada foi revisão da literatura que possibilitou compreender que a sexualidade é parte integral do desenvolvimento da criança e, desta forma, os educadores devem conhecer mais sobre este tema para responder as dúvidas das crianças de acordo com cada faixa etária. Conclui-se que negar respostas às crianças ou repreendê-las é incutir nelas o receio de voltar ao assunto e alertá-las para a desconfiança, despertando os preconceitos que vivenciamos diariamente no trato com as crianças.

Referências

ARCARI, C. Guia do Professor: Educação Sexual para crianças de 0 a 10 anos. Cores, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 de setembro de 2016.

BERNARDI, M. A deseducação sexual. São Paulo: Summus, 1985.

BICUDO, M. A. V., SILVA JUNIOR, C. A. da. Formação do educador. São Paulo: Unesp, 1999.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília, 1998. 2V.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília, 1997.v.10, 164p.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural: orientação sexual. 2.ed. Brasília, 2000.v.10, p.112-118.

BRASIL. Ministério da Educação. Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. 2.ed. Brasília: Ministério da Educação, 2007.

BRAGA, E. R. M. Gênero, sexualidade e educação; questões pertinentes à Pedagogia.In:
CARVALHO, E. J. G. de; FAUSTINO, R. C. Educação e diversidade cultural. Maringá: EDUEM, 2010.

FERREIRA, S. Livro das famílias: conversando sobre a vida e sobre os filhos. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde: 2005.

GTPOS, ABIA, ECOS. Guia de orientação sexual: diretrizes e metodologia (da pré-escola ao 2º grau). São Paulo: Casa do Psicólogo; Fórum Nacional de Educação e Sexualidade, 1994.

KUPFER, M. C. M. Freud e a educação: o mestre do impossível. São Paulo: Scipione, 2007.

LOPES, G.; MAIA, M. Conversando com a criança sobre sexo. São Paulo: Autêntica, 2001.

NUNES, C.; SILVA, E. A educação sexual da criança. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

NOVOA, A. Os professores e sua formação. 2.ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

ORTH, E. Educação sexual da criança. Petrópolis: Vozes, 1971.

SAYÃO, Y. Orientação sexual na escola: os territórios possíveis e necessários. In: AQUINO, J. G. Sexualidade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997.
Publicado
2017-09-25
Como Citar
SILVA, K., & VEIGA, G. (2017). SEXUALIDADE NA INFÂNCIA: FAMÍLIA, INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL E PROFESSORES. UNIFUNEC CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÃO, 2(4), 88-101. https://doi.org/10.24980/rfce.v2i4.2255

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##