TRANSTORNO DE ANSIEDADE SOCIAL: TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVA COMPORTAMENTAL

  • Ana Carolina Bergamo de PAULA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Viviane Fernandes CORRÊA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Eli Carine NEVES Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
Palavras-chave: Transtornos Fóbicos, Transtorno de Ansiedade Social, Terapia Cognitiva Comportamental

Resumo

O Transtorno de Ansiedade Social, também definida como fobia social na maior parte das vezes, é considerado um medo ou uma preocupação excessiva, caracterizado pela necessidade de evitar situações sociais, objetos ou ambientes. Diante dessas situações ansiogênicas aparecem sintomas físicos como rubor, tremor, taquicardia, sudorese, tensão muscular, entre outros. É comum aparição dos sintomas no início da infância ou adolescência. Os comportamentos fóbicos agravam-se no desenvolvimento do indivíduo em suas relações sociais, no trabalho e na escola. Considerando que os pacientes com Transtorno de Ansiedade Social desenvolvem auto avaliação negativa, por acreditarem que estão sendo avaliados pelos demais ao seu redor, afastam–se da sociedade e consequentemente perdem o crescimento profissional e pessoal, prejudicando o desempenho, a interação e a assertividade do indivíduo, que vai além do medo de se pronunciar em público.Este artigo objetiva-se em apresentar as técnicas mais utilizadas e seus procedimentos, diante da abordagem Terapia Cognitiva Comportamental para o tratamento do Transtorno de Ansiedade Social.Para tanto procede-se àrevisão Integrativa buscando materiais teóricos científicos em dados online. Desde modo, observa–se que existem diversas técnicas da abordagem Terapia Cognitiva Comportamental, sendo consideradas mais eficazes para o tratamento do Transtorno de Ansiedade Social, as técnicas de treino de relaxamento, treino de habilidades sociais, restruturação cognitiva e experimentos comportamentais.Tais técnicas produzem resultados eficazes na redução social da ansiedade, no desenvolvimento de habilidades sociais e a correção de crenças centrais errôneas, assim o indivíduo consegue ter melhora no seu convívio social, além da redução dos sintomas fisiológicos.

Publicado
2018-06-04