ANAIS DA SEMANA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM DO UNIFUNEC https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE <p>É uma publicação anual dos RESUMOS apresentados na Semana Acadêmica de Enfermagem do Unifunec organizado pela Coordenação do Curso de Enfermagem, do Centro Universitário de Santa Fé do Sul - SP (UNIFUNEC).</p> pt-BR taisejord@hotmail.com (TAISE JORDÃO ZANZARINI) Qui, 27 Set 2018 00:38:08 +0000 OJS 3.1.1.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 A BAIXA ADERÊNCIA DO USO DO PRESERVATIVO NA ADOLESCÊNCIA https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3332 <p>A adolescência é uma fase da vida causada por transformações tanto social quanto econômica gerando novas experiências associadas a inexperiência o que aumenta a vulnerabilidade. A prática sexual se inicia cedo principalmente para o sexo masculino em média aos 14 anos, está relacionado a vários fatores como conflitos, mudanças físicas, emocionais, social e também a influencia de bebida alcoólica e drogas ilícitas e a divulgação da mídia que aborda esse assunto com muita naturalidade. Trata-se de uma pesquisa de revisão da literatura, os materiais para a busca bibliográfica foram selecionados por meio da biblioteca virtual em saúde utilizando como critério de inclusão apenas artigos já publicados em português nos últimos dez anos, e manuais técnicos do ministério da saúde. O objetivo do estudo foi o de buscar em pesquisas já realizadas os fatores determinantes na baixa adesão do uso do preservativo entre os adolescentes. Os jovens brasileiros têm um alto nível de conhecimento sobre a transmissão do HIV, muitos deles afirmam ter esse conhecimento através de televisão e escolas, contudo as pesquisas revelam que entre eles há uma alta prevalência de risco para transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, pois não usa preservativo constantemente o que acarreta um amadurecimento prematuro devido uma gravidez não planejada. Os adolescentes concordam que o uso do preservativo reduz o prazer sexual, gera desconfiança entre os parceiros e inibe o desempenho sexual. Conclui-se que com o presente estudo que são necessárias intervenções impactantes que possam realmente atingir os adolescentes na conscientização dos riscos à saúde que podem ser causados na prática sexual desprotegida.</p> Ana Maria Rita Pedroso Vilela Torres de Carvalho ENGEL, Évelyn Rafaele Martins de ALMEIDA, Leticia Alves da SILVA, Jussara Britto Batista GONÇALVES ##submission.copyrightStatement## https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3332 Qua, 26 Set 2018 00:00:00 +0000 ADESÃO DE MULHERES JOVENS A MÉTODOS CONTRACEPTIVOS HORMONAIS DE CURTA E LONGA DURAÇÃO https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3333 <p>A contracepção já é praticada desde os tempos antigos com usos caseiros, porém a partir dos anos 60 com o intuito de controlar a taxa de natalidade surgiu os métodos contraceptivos hormonais que funcionam como barreira impedindo uma gravidez não planejada. Nos dias atuais a taxa de uso de contraceptivos é elevada, pois as mulheres buscam uma segurança em suas atividades sexuais e tem mais consciência sobre os métodos anticoncepcionais. Temos como objetivo analisar os tipos de anticoncepcionais usados e o que as jovens de 18 a 35 anos sabem a respeito desses métodos. Trata-se de um estudo quantitativo, com coleta de dados através de questionário fechado assistido, após submissão e aprovação do projeto no Conselho de Ética em Pesquisa da instituição, cumprindo a Resolução 466/2012, do Conselho Nacional de Saúde. Os sujeitos da pesquisa serão mulheres de 18 a 35 anos, estudantes da graduação do curso de enfermagem das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul/SP. Verificando a taxa de adesão ao uso de métodos contraceptivos, o tipo mais usado nessa população e conferir o conhecimento das jovens quanto aos métodos de anticoncepção hormonais de longa e curta duração. Busca-se abordar o tema contracepção hormonal de longa e curta duração e prevenção de gravidez indesejada, questões amplamente relacionadas ao bem-estar físico, psíquico, emocional e social da mulher aliado a isso, levar informações a jovens que desejam obter maior conhecimento sobre o assunto.</p> Danubia Rezende GOMES, Graziele de Almeida FERREIRA, Ana Letícia MARCHI ##submission.copyrightStatement## https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3333 Qua, 26 Set 2018 15:12:48 +0000 CASOS DE SÍFILIS EM GESTANTE E SÍFILIS CONGÊNITA NOTIFICADOS EM UMA CIDADE DO NOROESTE PAULISTA https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3335 <p>A sífilis é uma patologia provinda de um vírus denominado <em>Treponema pallidum, </em>levando assim a vários estágios da doença, atualmente vem se tornando um problema de saúde pública em todo território nacional devido a seu aumento no número de casos. O tratamento consiste basicamente na aplicação de Penicilina G cristalina ou Penicilina procaína, sendo administrada em dose devidamente calculadas para cada estágio da doença. O objetivo deste projeto é caracterizar o perfil epidemiológico da sífilis em gestante e congênita notificada em Santa Fé do Sul no período de 2015 a 2017, descrevendo: idade, sexo, raça, cor, escolaridade e ocupação. Será feito uma pesquisa descritiva, a partir do levantamento de dados através do Sistema de Informação de Agravos de Notificação Serviço de Vigilância Epidemiológica do município de Santa fé do Sul após aprovação do Comitê de Ética em pesquisa da instituição. Os indivíduos serão mulheres residentes em Santa Fé do Sul, com idade entre 18 e 45 diagnosticados com sífilis gestacional e recém-nascidos com sífilis congênita, nos últimos três anos, seguindo um questionário previamente elaborado para coleta de dados. A partir da coleta destes dados serão elaborados: tabelas e gráficos, descrevendo todo o panorama da incidência de sífilis gestacional e congênita nesta cidade, buscando entender o fato do grande aumento de casos em nossa cidade.</p> Tales Bruno da Silva de JESUS, Adriana Luiz Sartoreto MAFRA ##submission.copyrightStatement## https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3335 Qui, 27 Set 2018 00:00:00 +0000 COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM COMO FERRAMENTA DE CUIDADO https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3336 <p><strong>INTRODUÇÃO: </strong>A comunicação é um meio de se relacionar com outras pessoas, ou seja, uma forma de compartilhar, participar e ter algo em comum. É de vital importância saber se comunicar para ter uma vida em sociedade. Há comunicação de várias formas e pode ser realizada de forma verbal e não verbal. Os meios de comunicação sempre estiveram presentes na vida do homem, porém com o desenvolvimento da tecnologia permitiu-se que as informações sejam obtidas com mais facilidade, tendo seus pontos positivos e negativos, ou seja, deixando de ser uma comunicação mais humanizada, porém se tornando uma maneira facil de se comunicar com qualquer indivíduo e em qualquer lugar.<strong> OBJETIVO:</strong> O presente estudo tem como objetivo analisar a importância da comunicação como facilitadora do cuidado em enfermagem. <strong>METODOLOGIA</strong>: O presente trabalho foi realizado através de uma revisão bibliográfica, de exemplares publicados nos últimos 10 anos. Foram utilizados os bancos de dados, Bireme e Scielo. &nbsp;<strong>RESULTADOS: </strong>Nota-se que a comunicação na enfermagem com o paciente é um elemento essencial para a atenção humanizada, pois promove uma recuperação mais rápida e não garante somente o bem estar do paciente, como também promove condições para diminuir o tempo de internação e evita complicações que possam surgir à partir da falta de comunicação. <strong>CONCLUSÃO: </strong>Conclui-se que a comunicação na&nbsp; enfermagem configura-se um elemento essencial no cuidado, pois é um processo necessário para o bem estar e recuperação do paciente. Desse modo, utiliza-se a comunicação como um instrumento para humanizar o cuidado.</p> Andressa Lima AGUIAR, Angélica Aluisio PONTEL, Bruna Carolina da SILVA, Taise Jordão ZANZARINI ##submission.copyrightStatement## https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3336 Qui, 27 Set 2018 00:00:00 +0000 SINTOMAS DEPRESSIVOS NO PERIODO PÓS-PARTO https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3339 <p class="ListParagraph" style="margin: 0cm; margin-bottom: .0001pt; text-align: justify; text-justify: inter-ideograph; line-height: normal;"><span style="font-size: 12.0pt; font-family: 'Times New Roman',serif;" lang="PT-BR">A depressão pós-parto é considerada um problema da saúde pública, passando a ser conhecida como mal do século devido ao grande índice de casos. <span style="background: white;">O conceito de depressão é abrangente podendo ser utilizado tanto para caracterizar um sintoma quanto uma síndrome ou doença, sendo ela</span> um problema que afeta tanto a saúde materna, quanto o desenvolvi­mento da criança caracterizada por um conjunto de sintomas que se iniciam, geralmente, entre a quarta e a oitava semana após o parto, al­cançando sua intensidade máxima nos seis primeiros meses. Temos como objetivo analisar o perfil sócio demográfico e identificar sintomas de DPP presentes em puérperas primíparas no período de 40 dias após a concepção. Trata-se de um estudo descritivo e quantitativo, com coleta de dados através de questionários fechado, após aprovação do projeto no <span style="color: black;">Conselho de Ética em Pesquisa da instituição, cumprindo a Resolução 466/2012, do Conselho Nacional de Saúde. Sendo participantes da pesquisa mulheres primípara, maiores de dezoito anos, </span>no período puerperal de 40 dias após a concepção, que fazem parte das Estratégias de Saúde da Família, após consentimento da participação da entrevista por meio do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido<span style="color: black;">. Conclui-se que com o diagnóstico precoce é possível uma intervenção direta</span>, prevenindo o desenvolvimento deste problema de saúde e impedindo prejuízos ao binômio mãe e filho.</span></p> Caroline Daniele ALVAREZ, Natalia Cristina ANTONIOLO, Rafael Guerra de AQUINO ##submission.copyrightStatement## https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3339 Qui, 27 Set 2018 00:35:46 +0000 PERCEPÇÃO DOS ADOLESCENTES FRENTE À ASSISTÊNCIA PRESTADA EM UNIDADES DE SAÚDE DE UMA CIDADE DO INTERIOR PAULISTA https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3338 <p>Trata-se de um artigo de pesquisa descritiva quantitativo cujo o objetivo&nbsp; buscou compreender a percepção dos adolescentes em relação ao tipo de assistência voltada a saúde do adolescente prestada nas unidades de saúde de um município do interior paulista. A adolescência é a fase de desenvolvimento humano onde ocorrem várias transformações biopsicossociais, durante este processo o adolescente torna-se vulnerável devido a exposições a fatores de risco como as drogas, a gravidez na adolescência e as doenças sexualmente transmissíveis. A prevenção desses agravos e a promoção da saúde do adolescente está destinada a atenção primária, e devem ser realizadas principalmente de cunho educativo, fortalecendo a autonomia do sujeito envolvido.&nbsp; Foi desenvolvida uma pesquisa descritiva de campo utilizando como método um questionário semiestruturado. Os sujeitos da pesquisa foram os adolescentes que estão cursando o terceiro ano do ensino médio depois de deferido os termos de assentimento e consentimento, assim como a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP).&nbsp; Os dados foram coletados por meio de entrevista em uma Escola Estadual do interior paulista, diretamente com os sujeitos entrevistados e os pesquisadores de acordo com o objetivo da pesquisa. O estudo revelou que os adolescentes são encaminhados aos serviços de saúde quando é necessário algum tipo de intervenção como os serviços emergenciais, contudo desconhecem a existência de programa efetivos de prevenção e acompanhamento a saúde do adolescente</p> Lilian Fernanda CARDOZO, Maria de Lourdes Pereira de Matos OLIVEIRA, Yana Kainy Queiroz MACIEL, Jussara Britto Batista GONÇALVES ##submission.copyrightStatement## https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3338 Qui, 27 Set 2018 00:36:02 +0000 CRIANÇA COM MICROCEFALIA ASSOCIADA AO ZIKA VIRUS: REVISÃO INTEGRATIVA https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3337 <p>Nos últimos anos, o número de casos de microcefalia neonatal, possivelmente relacionados ao vírus zika, cresceu significativamente no Brasil, emergindo como um problema de saúde mundial. O objetivo deste estudo foi buscar evidências na literatura, para reunir e sintetizar o conhecimento produzido sobre relação entre a infecção pelo vírus zika durante a gestação e as consequências neonatais, e o papel do enfermeiro na assistência às crianças portadoras de microcefalia por meio de revisão integrativa literária. Para o levantamento de dados deste estudo, foi realizado pesquisas de artigos bibliográficos nas bases de periódicos da BVS (Biblioteca Virtual de Saúde) acessando-se por meio do LILACS (Sistema Latino Americano e do Caribe de Informações em Ciências da Saúde); SCIELO (Scientific Eletronic Library Online).&nbsp; A revisão literária foi realizada no período de janeiro a março de 2018. Conclui-se que existe relação a vários aspectos que envolvem a infecção causada por esse agente, devido a uma escassez de estudos com este enfoque, por isso é importante o apoio e empenho de todos os profissionais e instituições de saúde para observarem e descreverem os fatos que julguem relevantes para a da criança.</p> Joice Priscila Teodósio SOUZA, Vitória Natalí Pratis do NASCIMENTO, Thaisa Fernanda Queiroz de SOUZA, Elena Carla Batista MENDES ##submission.copyrightStatement## https://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=ASAE&page=article&op=view&path%5B%5D=3337 Qui, 27 Set 2018 00:37:25 +0000