AUTO CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE EM CASOS DE LESÃO MEDULAR: REVISÃO NARRATIVA DA LITERATURA

  • Beatris Tomaz MORAES
  • Beatriz Costa PORTO2 PORTO
  • Dhayane Cristina Fernandes BARBOSA
  • Natália Alves GARBIM
  • Paola Ribeiro BARUFI
  • Raiany Nunes Mercante BERTOCHE
  • Rafael Guerra de AQUINO

Resumo

Pacientes com lesão medular e disfunção vesico-esfincteriana têm indicação do cateterismo,
que é a introdução de um cateter na uretra até a bexiga, para a drenagem urinária. Em alguns
casos o tratamento pode ser para a vida toda, assim é indicado o cateterismo vesical
intermitente, que simula processos naturais de micção, assegura melhor convivência social e
ajuda na recuperação da autoestima. O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão narrativa
da literatura, enfocando a técnica de auto cateterismo intermitente. Foram pesquisados artigos
em textos completo publicados nos últimos dez anos, na Biblioteca Virtual em Saúde, usando
os descritores: doenças da medula espinhal, cateterismo uretral e cateterismo uretral
intermitente. A pesquisa possibilitou compreender o processo de adaptação às novas condições
de vida a partir de dificuldades adquiridas no processo de trauma raquimedular e as vantagens
da cateterização intermitente realizada com técnica limpa. A técnica limpa no cateterismo
vesical no domicílio tem uso justificado por apresentar diminuição das taxas de infecções
urinárias quando realizada de forma asséptica, a técnica passa a substituir os métodos de sondas
uretrovesicais de permanência e cistostomias em pacientes. É indicado para pacientes que
apresentam resíduos pós-miccional maior ou igual a 30% da capacidade vesical funcional,
associado a infecções de repetição no trato urinário e/ou retenção urinaria.


Descritores: Cateterismo, Bexiga urinária neurogênica e Cateterismo urinário.

Publicado
2017-10-06