NUTRIÇÃO NO TRATAMENTO DOS PROCESSOS DEPRESSIVOS

  • Danielle dos Santos TAVARES
  • Dazieli Teixeira FLAMINI
  • Regina Maria de SOUZA
Palavras-chave: Depressão. Fármacos. Nutrição.

Resumo

O trabalho apresenta como objetivo central realizar um estudo sobre as diversas manifestações da depressão, que no contexto atual atinge grande parcela da população mundial, destacando os medicamentos mais conhecidos e utilizados. Além de entender como o transtorno impacta o organismo e qual o papel dos fármacos no tratamento. Visa avaliar ainda, a ausência de alguns nutrientes no organismo que proporcionam a vulnerabilidade à sua ocorrência. No trabalho, são citados alimentos que contenham o agente percursor da serotonina que estimula o bom humor. Os agentes mais conhecidos são o triptofano e a tirosina que são aminoácidos essenciais para a produção e liberação de serotonina, sendo os alimentos estudados o chocolate, as oleaginosas – castanha do Brasil e a castanha de caju, os peixes, a soja, os ovos e leites e seus derivados. Diante do estudo, foi possível concluir que uma alimentação em qualidade e quantidade adequadas e harmoniosas de acordo com as necessidades nutricionais do individuo proporcionam uma melhora no quadro geral do paciente.

Referências

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais DSM-V. 5. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSTORNO BIPOLAR. O que é Transtorno Bipolar. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2014.

ASSOCIAÇÃO MÉDICA AMERICANA. Guia Essencial da Depressão: um quadro abrangente da depressão, suas causas e tratamentos, com o rigor científico da Associação Médica Americana. São Paulo, SP: Aquariana, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Depressão maior: da descoberta à solução. Brasília, DF: Ministério da Saúde, v.1, n.5, 2004. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2014.

CAMPIGOTTO, K. F. et al. Detecção de risco de interações entre fármacos antidepressivos e associados prescritos a pacientes adultos. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, SP, v. 35, n. 1, 2008. Disponível em . Acesso em: 22 mar. 2014.

CARVALHO, M. A; PEREIRA JUNIOR, A. Nutrição e estados de humor: da medicina chinesa antiga à neurociência. Revista Simbio-Logias, Botucatu, SP, v. 1, n. 1, 2008. Disponível em . Acesso em: 09 jun. 2014.

CORDIOLI, A. V. et al. Psicofármacos. 4. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2011.

FARAH, R. Chocolate: energia e saúde. São Paulo, SP: Alaúde, 2008.

KAPLAN, H. I.; SADOK, B. J. Tratado de psiquiatria. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 1999.

LARINI, L. Fármacos e Medicamentos. Porto Alegre, RS: Artmed, 2008.

MORENO, R. A.; MORENO, D. H.; SOARES, M. B. de M. Psicofarmacologia de antidepressivos. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, SP, v. 21, supl. 1, 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. [S. l]: OMS, 2008 V.1. Disponível em: Acesso em: 22 mar. 2014.

PENHA, L. A. O. et al. A soja como alimento: valor nutricional, benefícios para a saúde e cultivo orgânico. Boletim Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos, Curitiba, PR, v. 25, n. 1, p. 91-102, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2014.

PERES, U. T. Depressão e melancolia. 3. ed., Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2010.

SADOCK, B. J. SADOCK, V. A. Compêndio de psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. 9. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2007.

SCHERLLACK, G. Farmacologia na prática clínica da área de saúde. São Paulo, SP: Fundamento Educacional, 2006.

SCHESTATSKY, S.; FLECK, M. Psicoterapia das depressões. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, SP, v. 21, supl. 1, maio 1999. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.
Publicado
2015-10-07