OPINIÕES DE MULHERES EM IDADE FÉRTIL SOB A ÓTICA DE POSSÍVEIS FETOS ANENCÉFALOS E O PAPEL DA ENFERMAGEM FRENTE A ESTA SITUAÇÃO

  • Camila Maria Buso Weiller VIOTTO Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Andressa Oliveira OKUMURA Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Bruna Anyelli AZAMBUJA Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Camila Almeida LEONEL Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul

Resumo

Este trabalho trata da interrupção da gestação frente ao sentimento materno diante da confirmação de um feto anencéfalo em questões da bioética e da legislação brasileira. As expectativas da gestante em relação ao seu papel de mãe podem induzir a fantasia quanto a sua definição de maternidade e afetar o seu estado emocional. Nesta fase, cabe à equipe multidisciplinar oferecer acompanhamento e orientação constante à gestante, podendo ter um papel preventivo de complicações físicas e psíquicas futuras. A anencefalia é a falta total ou parcial do cérebro e/ou da calota craniana, um defeito na formação do sistema nervoso central, de modo que crianças portadoras não sobrevivem após o parto, sendo, portanto, incompatível com a vida extrauterina. Este fato leva a uma grande polêmica em relação à legalidade do abortamento, à opinião e consentimento da gestante. Esta pesquisa objetivou apresentar a opinião de mulheres em idade fértil sob a ótica de possível gestação com feto anencéfalo, sua opinião sobre o que prevê a legislação; e descrever o papel da equipe de enfermagem frente a esta situação. O método foi realizado em campo, utilizando-se uma entrevista aplicada a 50 mulheres em idade fértil, não gestantes, com idade entre 18 a 40 anos. Diante dos resultados, nota-se que a questão do abortamento de fetos anencéfalos está fortemente ligada aos instintos maternais e crenças religiosas além de concluir tratar-se de um tema polêmico que divide opiniões.

Referências

ANDALAFT NETO, J. Anencefalia: posição da Febrasgo. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2014.

BRASIL. Art. 128 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40. Disponível em: . Acesso em 10 jan. 2014.

BENUTE, G. R. G.; GOLLOP, T. R. O que acontece com os casais após o diagnóstico de malformação fetal? Femina, Rio de Janeiro, v. 30, n. 9, out. 2002.

BENUTE, G. R. G. et al. Interrupção da gestação após o diagnóstico de malformação fetal letal: aspectos emocionais. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, jan. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção às mulheres com gestação de anencéfalos: norma técnica. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

CAVALCANTE, A.; XAVIER, D. Em defesa da vida: aborto e direitos humanos. São Paulo: Católicas pelo direito de decidir, 2006.

CFM. Resolução CFM nº1.989/2012, 2012.Disponível em: . Acesso em:15 fev. 2014.

CFM. Resolução CFM 1.826/2007, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2014.

CFM. Resolução CFM nº 1.752/04, 2004. Disponível em:. Acesso em: 03 mar. 2014.

CREMEB. Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia. Anencefalia e Supremo Tribunal Federal. Brasília: Letras Livres, 2004.

DINIZ, D.; RIBEIRO, D. C. Aborto por anomalia fetal. Brasília: Letras Livres, 2004.

FERREIRA, F. G. B. C. Aborto de fetos anencéfalos e a decisão do Supremo Tribunal Federal na ADPF 54: a reflexão continua!. Jus Navigandi, Teresina, v.17, n. 3220, 25 abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GOLLOP, T. R. Riscos graves à saúde da mulher. In: ANIS: Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero. (Org). Anencefalia, o pensamento brasileiro em sua pluralidade. Brasília: Letras Livres, 2004.

KUBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer: o que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes.10. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MOORE, K. L.; PERSAUD, T. V. N. Embriologia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

PICCININI, C. et al. R. Expectativas e sentimentos da gestante em relação ao seu bebê. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002. Disponível em: . Acesso: 10 fev. 2014.

POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 5. ed. Porto Alegre-Rs: Artmed, 2004.

SETÚBAL, M.S. et al. Reações psicológicas diante da gravidez complicada por uma malformação fetal, Programa de Medicina Fetal, Departamento de Tecnologia da Faculdade de Ciências Médicas, 2004. Disponível em: .

SOUSA, S. A saúde do feto. In: SÁ, E. Psicologia do feto e do bebê, Lisboa, Fim de século, 2003.

TERRUEL, S. C. Anencefalia fetal: causas, consequências e possibilidades de abortamento. 15 mar. 2008. Disponível em: Acesso em: 4 jul. 2014.
Publicado
2017-03-24
Como Citar
VIOTTO, Camila Maria Buso Weiller et al. OPINIÕES DE MULHERES EM IDADE FÉRTIL SOB A ÓTICA DE POSSÍVEIS FETOS ANENCÉFALOS E O PAPEL DA ENFERMAGEM FRENTE A ESTA SITUAÇÃO. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - ENFERMAGEM - ISSN 2526-5628, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 87-98, mar. 2017. ISSN 2526-5628. Disponível em: <http://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=rfce&page=article&op=view&path%5B%5D=http%3A%2F%2Fseer.funecsantafe.edu.br%2Findex.php%3Fjournal%3Drfce%26page%3Darticle%26op%3Dview%26path%255B%255D%3D2180>. Acesso em: 25 set. 2017. doi: https://doi.org/10.24980/rfcenf.v1i1.2180.

Palavras-chave

Anencefalia. Aborto Legal. Enfermagem.