GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NAS ESTRATÉGIAS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO INTERIOR PAULISTA

  • Carmem Costa MARTINS Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Dora Inés KOZUSNY-ANDREANI Universidade Camilo Castelo Branco - UNICASTELO
  • Jéssica Cristina DIAS Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Marcieli Toro MINHOLI Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Tamires Silva ORLANDI Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
Palavras-chave: Gerenciamento. Manejo. Segregação.

Resumo

Resíduo é qualquer material considerado inútil ou sem valor gerado pelo homem e descartado no meio ambiente. Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) caracterizam-se por uma parte importante do resíduo sólido, não pelo volume gerado, mas pelo seu potencial de risco à saúde e ao meio ambiente. Assim, o estudo objetivou identificar o sistema de gerenciamento dos RSS das unidades de Estratégia de Saúde da Família de um município do Noroeste Paulista para avaliar todas as etapas no manejo dos RSS. A metodologia utilizada foi a pesquisa descritiva de campo, com abordagem qualitativa. Foram visitadas nove unidades e aplicado um formulário. Identificou-se que nas unidades são gerados RSS dos grupos A, B, D e E e que a segregação é realizada corretamente pelos grupos B e E. A coleta interna e externa não oferece esforço acessivo ao funcionário, entretanto não é utilizado equipamento de proteção individual, como também as unidades não possuem entrada e saída exclusiva para a coleta. Os abrigos dos resíduos não são adequados, porém são suficientes para armazenar a produção da semana, mas não possuem identificação e simbologia conforme orientado pela legislação. Quanto aos resíduos do grupo E, perfuro-cortantes, esses são segregados corretamente. Os resultados permitem sugerir que as Unidades de Saúde da Família realizam as etapas do manejo de forma parcial. Contudo, necessitam reestruturar o gerenciamento dos RSS.

Referências

ABNT- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004: resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro: 2004. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2014.

ABNT- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7.500: símbolos de risco e manuseio para o transporte e armazenamento de materiais. Rio de Janeiro, 2003. Disponível em: < http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfEbgAH/nbr-7500-sb-54-simbolos-risco-manuseio-transporte-armazenamento-materiais>. Acesso em: 14 out. 2014.

ABRELPE - Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. 10. ed. São Paulo: Abrelpe, 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2015.

ANTON, L. M. T. B. Gerenciamento intra-unidade de resíduos de serviços de saúde em um ambulatório e unidade básica de saúde. 2006. 94 f. Dissertação (Mestrado em Infectologia em Saúde Pública) - Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, São Paulo.

BIDONE, F. R. A. Resíduos sólidos provenientes de coletas especiais: eliminação e valorização. Rio de Janeiro: Abes, 2001. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. RDC nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Gerenciamento dos Resíduos de Serviço de Saúde. ANVISA, 2004. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2014.

______. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde. Brasília: ANVISA, 2006. Normas e Manuais Técnicos.

______. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

GOUVEIA, N.; PRADO, R. R. Riscos à saúde em áreas próximas a aterros de resíduos sólidos urbanos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 5, p. 859-66, maio, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102010000500011&script=sci_arttext>. Acesso em: 10 out. 2015.
NOBUKUNI, M. C. Análise dos pontos críticos e de controle no gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde com vistas à minimização de riscos a saúde e impactos ambientais no município de Ilha Solteira – SP. 2011. 155 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação, CEETPS, São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2015

RIBEIRO FILHO. Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. In: FERNANDES, A. T. et al. Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu, 2000. cap. 63, p. 1157.

RUTALA, W. A.; ODETTE, R. L., SAMSA, G.P. Manegement of infectious waste by us hospitals. The Journal of the American Medical Association, n.262, p.1635-1640, 1989. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2015.
Publicado
2017-03-24