ANÁLISE DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA NAS ETAPAS DE PROCESSAMENTO E FERMENTAÇÃO DA CANA DE AÇUCAR EM UMA USINA SUCROALCOOLEIRA

  • Juliano Motta RODERO
  • Anielo RODRIGUES
  • Andreia Estela Moreira SOUZA

Resumo

O Brasil possui aproximadamente 400 usinas de processamento de cana-de-açúcar, sendo o estado de São Paulo responsável por cerca de 60% da produção nacional. Na produção de etanol, o caldo passa por tratamento térmico e decantação, sendo então resfriado e enviado para as dornas de alimentação, nas quais adiciona-se fermento. Nessa fase, pode ocorrer contaminação por bactérias que competem com a levedura pela glicose e frutose, podendo reduzir a produção. O trabalho objetivou quantificar a contaminação bacteriana nas diferentes fases de processamento em uma usina sucroalcooleira e identificar quais gêneros competem no processo fermentativo. Para isto, foram coletadas amostras nas diferentes fases visando análise do pH, viabilidade e contaminação microbiana. Para identificação das bactérias contaminantes, 0,2 ml das amostras foram inoculados em meio de cultura ágar BHI (“Brain Heart Infusion Agar”), incubados a 37º/ 24 horas e após, seleção de colônias para coloração de Gram. O pH variou de 4,5 a 4,6, sendo que a acidificação previne a contaminação. A viabilidade das leveduras apresentou valores de 92,50% a 90,60%, estando dentro dos padrões adequados. A maior contaminação bacteriana foi encontrada na entrada de caldo misto da moenda (107 UFC), diminuindo com a redução de pH e acréscimo do antibiótico monensina a 18%. Pela análise microscópica, detectaram-se cocos Gram-positivos dos gêneros Leuconostoc e Lactobacillus, descritos como principais contaminantes do processo, além de bacilos Gram-negativos, provavelmente Klebsiella e, Enterobacter. A contaminação bacteriana compete com a levedura Saccharomyces cerevisae pelo substrato, ocasionando prejuízos no rendimento e na produtividade da usina

Referências

ANDRIETTA, M. G. S.; STECKELBERG, C.; ANDRIETTA, S. R. Bioetanol– Brasil30 anos na vanguarda. Multi-Ciência: Revista interdisciplinar dos centros e núcleos da UNICAMP, v. 7, p. 1-16, Out. 2006. Disponível em: Acesso em: 14 jun. 2016.

AMORIM, H.V. Fermentação alcoólica: ciência etecnologia. Piracicaba: Fermentec, 2005.

CHERUBIN, R. A. Efeito da viabilidade da levedura e da contaminação bacteriana na fermentação alcoólica. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, SP, Brasil, 2003, p.33. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2016.

FREITAS, M. D.; ROMANO, F. P. Avaliação do controle bacteriano na fermentação alcoólica com antibióticos naturais. 2012. 70 f. TCC (Graduação) - Faculdade de Tecnologia de Piracicaba “FATEC”, Piracicaba, 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2016.

JOHNSON, A. P. et al. Resistanceto Vancomycinand Teicoplanin: na Emerging Clinical Problem.Clinical Microbiology Reviews, v.3, p.280 – 91, 1990. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2016.

LIMA, U. A.; AQUARONE, E.; BORZANI, W. Tecnologia das fermentações. São Paulo: Edgard Blucher, 1986.V.1.

MC Desinfecção Industrial. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

PASCHOALINI, G.; ALCARDE, V.Estudo do processo fermentativo de usinasucroalcooleira e proposta para sua otimização. Revista de Ciência &Tecnologia, v.16, n. 32, p. 59-68, 2009. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2014.

SANTOS, B. M. Identificação molecular de bactérias lácticas presentes no caldo de cana-de-açúcar. 2012. 100 f. Dissertação de Mestrado (Ciências Biológicas - Genética) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife/ PE. 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2016.

SOUZA, C. S. Avaliação da produção de etanol em temperaturas elevadas por uma linhagem de S. cerevisiae. 2009. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação Interunidades em Biotecnologia (USP), Instituto Butantã (IPT), São Paulo, SP, Brasil, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2016.


STECKELBERG, C. Caracterização de leveduras de processos de fermentação alcoólica utilizando atributos de composição celular e características cinéticas. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade deEngenharia Química, Campinas, SP, Brasil, 2001. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2016.

SERRA, G.R.et al. Contaminação da fermentação alcoólica. Floculação do fermento. Brasil Açucareiro, v. 93, n. 6, p. 26-31. 1976. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2016.

VERMELHO, A. B. et al. Prática de microbiologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 2006.

VASCONCELOS, J. N. Fermentação alcoólica contínua com levedura imobilizada em colmos de cana de açúcar. 1998. 480 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.1998. Disponível em: Acesso em: 24 maio 2016.

VIAN, C. E. D. F. Expansão e diversificação do complexo agroindustrial sucroalcooleiro no Centro-Sul do Brasil-1980/96. 1997. 237 f. Tese (Mestrado em Engenharia de Produção). Departamento de Engenharia de Produção (DEP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos, 1997
Publicado
2017-03-16
Como Citar
RODERO, Juliano Motta; RODRIGUES, Anielo; SOUZA, Andreia Estela Moreira. ANÁLISE DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA NAS ETAPAS DE PROCESSAMENTO E FERMENTAÇÃO DA CANA DE AÇUCAR EM UMA USINA SUCROALCOOLEIRA. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR - ISSN 2318-5287, [S.l.], v. 5, n. 7, p. 12-22, mar. 2017. ISSN 2318-5287. Disponível em: <http://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=rfc&page=article&op=view&path%5B%5D=http%3A%2F%2Fseer.funecsantafe.edu.br%2Findex.php%3Fjournal%3Drfc%26page%3Darticle%26op%3Dview%26path%255B%255D%3Dhttp%253A%252F%252Fseer.funecsantafe.edu.br%252Findex.php%253Fjournal%253Drfc%2526page%253Darticle%2526op%253Dview%2526path%25255B%25255D%253D2334>. Acesso em: 25 set. 2017. doi: https://doi.org/10.24980/rfcm.v5i7.2334.
Seção
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

Palavras-chave

Usina sucroalcooleira. Contaminação microbiana. Leveduras. Fermentação.