LEVANTAMENTO DE ZOOPLÂNCTON EM PISCICULTURA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SANTA FÉ DO SUL - SP

  • Aline Rafaella CARDOSO
  • Gustavo Laranjeira de Melo SANTOS
  • Sandro Alves CORRÊA
  • Eliana do Amaral GIMENEZ
Palavras-chave: Inventariamento. Piscicultura. Zooplâncton.

Resumo

A piscicultura é uma atividade que vem crescendo no Brasil. Essa prática acarreta o lançamento desenfreado de resíduos e metabólitos diretamente no ambiente, causando impactos ambientais. Os organismos zooplanctônicos têm grande sensibilidade ambiental e respondem a diversos tipos de impactos e, por isso, são usados como bioindicadores de condições boas ou ruins da qualidade da água. O trabalho objetivou inventariar os zooplânctons existentes na Piscicultura Grupo Ambar Amaral em Santa Fé do Sul - SP, e avaliar os possíveis impactos ambientais. As coletas foram realizadas mensalmente, com o auxílio de uma rede de plâncton 68 µm. As amostras obtidas foram anestesiadas e reservadas em garrafas etiquetadas. A identificação dos microrganismos foi realizada sob microscópio óptico utilizando-se chaves específicas. Foram identificados no presente trabalho os seguintes táxons: Tecamebas (Protista), o filo Rotífera foi representado pelos gêneros Philodina, Otostephano, Collotheca, a espécie Mytilina ventralis, e pela família Gastropodidae; dentre os crustáceos, as espécies Diaphanosoma brachyurum, Diaphanosoma birgei e Daphnia gessneri da subclasse Cladocera e as ordens Calanoida e Cyclopoida da subclasse Copepoda. A maior quantidade de indivíduos registrada foi de Copepoda, sendo representados pelas formas juvenis (náuplios e copepoditos) e formas adultas. A análise da comunidade zooplanctônica na piscicultura revelou uma diversidade de espécies para os diferentes grupos taxonômicos.

Referências

CARDOSO, L. S.; RAMOS, J. D.; MELLO, H. O. Composição, densidade e abundância das populações de Cladocera, Copepoda e Rotífera das áreas de proteção permanente do Rio Uberabinha. Uberlândia, 2008. p.96 - 104.

CARVALHO, E. D. Ações antrópicas e a biodiversidade de peixes: status da represa de Jurumirim (Alto Rio Paranapanema). Instituto de Biociências. Universidade Estadual Paulista. Botucatu, 2009.

CATUNDA-MARCELINO, S. Zooplâncton como bioindicadores do estado trófico na seleção de áreas aquícolas para piscicultura em tanque-rede no reservatório da UHE Pedra no rio de Contas. Jequié – BA, 2007, p.10-12.

CAMARGO, M. Z. A comunidade íctica e suas interrelações tróficas como indicadores de integridade biológica na área de influência do projeto hidrelétrico Belo Monte, Rio Xingu. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Pará, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 2004. 167p.

ESKINAZI-SANT’A. et al. Composição da comunidade zooplanctônica em reservatórios eutróficos do Semi - Árido do Rio Grande do Norte. Rio Grande do Norte, 2007. p. 411.

GAZULHA, V. Zooplâncton límnico: manual ilustrado. Rio de Janeiro: Technical Books Editora, 2012. 151 p.

JARAMILLO-LONDOÑO; J. C; PINTO-COELHO, R. M. Novo Atlas do Zooplâncton da Represa da Pampulha: Principais Grupos do Zooplâncton do Reservatório da Pampulha. 2011.

MEIRINHO, P. do A. Ecologia do zooplâncton. [20--]. PPG Ecologia, Depto. de Ecologia, IB, USP, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2015.

OLIVEIRA, D. B. S.; SIPAÚBA-TAVARES, L. H.; DURIGAN, J. G. Estudo limnológico em tanques de Piscicultura. Parte II: Variação semanal de fatores físicos, químicos e biológicos, Centro de Aquicultura da UNESP, Jaboticabal, 1992. p.124

OSTRENSKY, A.; BOEGER, W. Piscicultura: fundamentos e técnicas de manejo. Guaíba: Agropecuária, 1998. 211 p

PERBICHE-NEVES, G.; PORTINHO, J. L.; SERAFIM JÚNIOR, M. Zooplâncton. [S.l], 2012. p. 170-171.
Publicado
2017-03-16
Seção
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 3 4 5 6 7 > >>