SÍNDROME DE BURNOUT: INDICADORES EM ENFERMEIROS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA

  • Denise Rossi FORESTO
  • Julliana Loyolla Errera de SOUZA

Resumo

A Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico de caráter depressivo, com total esgotamento físico e mental  vinculado  com  a  vida  profissional.  As profissões assistenciais estão entre as mais vulneráveis para o desenvolvimento desse quadro, entre elas os profissionais de saúde, por realizarem atividades de assistência à vida de outros, assegurando seu bem-estar físico e emocional. O referido estudo teve como objetivo identificar os indicadores da  Síndrome de Burnout em 10 enfermeiros  que  atuam  na Atenção Primária em  Unidades da Estratégia Saúde da  Família. O instrumento utilizado foi o Questionário Sociodemográfico e Maslach Burnout Inventory (MBI) versão HSS, que investiga os fatores: Exaustão  Emocional,  Despersonalização e Realização  Profissional. Foi realizada uma análise através de porcentagem e média. Os resultados indicam que a grande maioria dos participantes apresenta implicações. Tal síndrome traz prejuízos para a vida do indivíduo e também para a organização em geral, pois acaba levando o funcionário a produzir com menos qualidade podendo gerar alta taxa de absenteísmo e rotatividade. As adversidades do mundo organizacional são potenciais geradores de estresse, levando o profissional a um estado adaptativo que por vezes é ineficaz e conduz à instauração da Síndrome de Burnout. 

Referências

ARANTES, M. A. de A. C.; VIEIRA, M. J. F. Clínica psicanalítica. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicológo, 2006.

BENEVIDES-PEREIRA, A. M. T. O. Estado da Arte do Burnout no Brasil. Apresentado como Conferência no I Seminário Internacional sobre Estresse e Burnout. Curitiba, 30 e 31 de agosto de 2002. Revista Eletrônica Inter Ação Psy, v. 1, n.1, p. 4- 11, Ago. 2003. Disponível em: < http://www.saudeetrabalho.com.br/download_2/burnout-benevides.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2013.

BORGES, L. et al. O trabalho e as organizações: atuações a partir da Psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Pactos pela Vida. Portaria n. 1339, de 18 de novembro de 1999 Vol. 4. Brasília, DF, 2006. Série A. Normas e manuais técnicos. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2014.

CHENISS, C. Professional burnout in human service organizations. New York: Praeger, 1980.

FRANÇA, F. M. de; FERRARI, R. Síndrome de Burnout e os aspectos sócio-demográficos em profissionais de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 5, p. 743-48, 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2012.

GAIÃO, E. S. Prevalência de Burnout em profissionais de saúde que trabalham em hospitais públicos. 2012. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2012.

GIL-MONTE, P. R. Influência del género sobre el proceso de desarrollo del síndrome de quemarse por el trabajo (Burnout) en profesionales de enfermería. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 1, p. 3-10, jan./jun 2002. Disponível em: . Accesso em: 07 set. 2012.

GLINA, D. M. R; ROCHA, L. E. Saúde mental no trabalho da teoria à prática. São Paulo: Roca, 2010.

GOÉS, I. P. S. et al. Ocorrência da Síndrome de Burnout em enfermeiros das Unidades de Saúde da Família no município de São Sebastião do Paraíso – MG. Revista Iniciação Científica, São Sebastião do Paraíso, v.2, n.1, p.65-82, 2012. Disponívelem: . Acesso em: 07 set. 2012

JODAS, D. A.; HADDAD, M. C. L. Síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um pronto socorro de hospital universitário. Acta Paulista de Enfermagem, Londrina, 2009. Disponível em. Acesso em: 18 ago. 2014.

MASLACH, C; SCHAUFELLI, A; LEITER, M. The truth about burnout: how organizations cause personalstress and what to do about it. San Francisco: Jossey-BassPublishers, 2001.

MORENO, F. N. et al. Estratégias e intervenções no enfrentamento da síndrome de burnout. Revista de Enfermagem - UERJ, v.19, n.1, p.140-5, jan/mar. 2011.

MUROFUSE, N. T; ABRANCHES, S. S; NAPOLEÃO, A. A. Reflexão sobre estresse e burnout e a relação com a enfermagem. Revista Latino-America de Enfermagem, Ribeirão Preto, 2005. Disponível em . Acesso em: 12 de agosto de 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10. ed. 1998. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cid10/v2008/cid10.htm, Acesso em: 10 set. 2012.

TAMAYO, M. R; ARGOLO, J. C. T.; BORGES, L. O. Burnout em profissionais de saúde: um estudo com trabalhadores do município de Natal. In: BORGES, L. O. Os profissionais de saúde e seu trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005. p. 223-246.

TAMAYO, M. R; TRÓCCOLI, B. T. Exaustão emocional: relações com a percepção de suporte organizacional e com as estratégias de coping no trabalho. Estudos de Psicologia. Brasília, v. 7, n. 1, p. 37-9, 2001.

VIEIRA, I. et al. Burnout na clínica psiquiátrica: relato de um caso. Revista de Psiquiátrica, Rio Grande do Sul, v. 28, n. 3, p. 352- 6, 2006.
Publicado
2015-08-25
Como Citar
FORESTO, Denise Rossi; SOUZA, Julliana Loyolla Errera de. SÍNDROME DE BURNOUT: INDICADORES EM ENFERMEIROS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA. REVISTA FUNEC CIENTÍFICA - MULTIDISCIPLINAR - ISSN 2318-5287, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 110-121, ago. 2015. ISSN 2318-5287. Disponível em: <http://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=rfc&page=article&op=view&path%5B%5D=http%3A%2F%2Fseer.funecsantafe.edu.br%2Findex.php%3Fjournal%3Drfc%26page%3Darticle%26op%3Dview%26path%255B%255D%3D1590>. Acesso em: 20 ago. 2017. doi: https://doi.org/10.24980/rfcm.v3i5.1590.
Seção
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

Palavras-chave

Atenção primária. Síndrome de Burnout. Enfermeiros.