O ESTRESSE OCUPACIONAL DOS ENFERMEIROS NO SETOR DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

  • Karine Eduarda de Alcantara de CAMARGO
  • Natalia Barbosa FERREIRA
  • Camila Maria Buso Weiller VIOTTO
Palavras-chave: Estresse, Enfermeiro, Emergência

Resumo

INTRODUÇÃO: O estresse ocupacional é gerado por fatores ligados ao trabalho, que constitui um conjunto de atividades preenchidas de valores,comportamento e representações. Neste processo, o enfermeiro tem como agente de trabalho e sujeito de ação, o próprio homem, contudo, trabalha com excessiva responsabilidade, rotatividade de turnos e cobrança por constante ampliação de conhecimentos. Estes fatores quando somados ao tempo podem provocar adoecimento nos profissionais. OBJETIVO: O objetivo foi revisar a literatura que embase como o estresse ocupacional está presente na vida do Enfermeiro que atua no cenário de urgência e emergência. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo descritivo de revisão de literatura cujos materiais foram coletados em bases de dados científicos através do Scielo entre outras fontes. RESULTADO: Considerando este contexto, a atuação do enfermeiro de urgência e emergência é avaliada como desencadeadora de desgaste físico, emocional e estresses, visto que o ambiente onde está inserido compreende a atuação conjunta de uma equipe multiprofissional. O estresse causa a diminuição da capacidade dos profissionais de realizarem com eficiência suas atividades, causando prejuízos no atendimento dos pacientes, bem como aos próprios profissionais, que afetam sua vida profissional e pessoal. Dessa forma, o estresse é determinado pela percepção do profissional em relação às suas demandas de trabalho como estressares, e por sua habilidade para enfrentá-los. CONCLUSÃO: Espera-se que o enfermeiro que atua no cenário de urgência e emergência reconheça os estressores em seu ambiente de trabalho, suas repercussões no processo saúde-doença, buscando soluções para ameniza-los, provindo danos à saúde e garantindo uma boa assistência aos usuários.
Publicado
2017-08-02