ESTADO ATUAL DO USO DE CÉLULAS TRONCO NA ODONTOLOGIA

  • Eduardo da Costa PINTO JUNIOR
  • Letycia Morais SANTOS
  • Flávia Cristina CUSTÓDIO
  • Marília Contart MANZINI
  • Juliano de PIERRI
Palavras-chave: Plasticidade, Odontologia, Células tronco

Resumo

INTRODUÇÃO: A células-tronco, que podem ser definidas como células indiferenciadas com grande capacidade de auto renovação, sendo capazes de produzir, pelo menos, um tipo celular especializado e são classificadas em duas categorias, o de células-tronco embrionárias, cuja alta capacidade de proliferação e diferenciação tecidual são vantagens desse conjunto de células e também o grupo de células-tronco adultas, podendo ser multipotentes ou unipotentes, que apresentam também vantagens em seu uso, como seres responsáveis pelos fatores de crescimento inerentes ao hospedeiro, além de serem autogênicas. OBJETIVO: O objetivo do presente estudo foi realizar uma revisão de literatura sobre a possibilidade e o estado atual do uso de células-tronco em odontologia. METODOLOGIA: Revisão de literatura a partir de artigos científicos, revistas e livros em língua portuguesa e inglesa, sendo retirados dessa revisão artigos onde constasse algum conflito de interesse ou viés importante. RESULTADO: Dentro da odontologia, estudos realizados demonstram que as células-tronco são capazes de regenerar defeitos mandibulares, defeitos ósseos congênitos, formação de estrutura condilar e acelerar o processo de neoformação óssea e ainda, atualmente, alguns estudos em fase inicial mostram poder haver a possibilidade da formação da chamada terceira dentição, que consiste em uma neoformação dentária. CONCLUSÃO: Concluí-se que os avanços em experimentos com células-tronco são perceptíveis, ainda que uteis em um amplo espectro clínico, se faz necessário mais estudos e um aprofundamento nas técnicas para o desenvolvimento de órgãos dentais completamente funcionais.
Publicado
2017-08-01