DIFERENTES DISPOSITIVOS INALATÓRIOS: VANTAGENS E DESVANTAGENS

  • Camila Pereira GOMES
  • Andressa de Fátima Moura NOGUEIRA
  • Renata Cristina de Angelo Calsaverini LEAL

Resumo

INTRODUÇÃO: Aerossolterapia consiste na pulverização de partículas sólidas ou líquidas suspensas para fins terapêuticos no trato respiratório, com absorção direta e deposição em nível pulmonar, evitando efeitos colaterais e apresentando tempo de resposta rápido. Diversos fatores influenciam na ação medicamentosa, como tamanho das partículas, fluxo ventilatório, mecânica respiratória e interface nebulizador e paciente. A otimização terapêutica depende, do tipo de inalador diferenciando-se pelo princípio físico gerador da névoa. OBJETIVO: Verificar vantagens e desvantagens dos dispositivos inalatórios. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão em banco de dados do PubMed utilizando os descritores: nebulizador ultrassônico e a jato, deposição de aerossol nos pulmões, inalador dosimetrado e a seco e inaloterapia. RESULTADO: O nebulizador ultrassônico gera partículas menores que 5 micrômetros, é silencioso, não necessita de habilidades coordenativas e nebulização rápida, desvantagens: alteração no princípio ativo de drogas termossensíveis, deposição na orofaringe e em vias aéreas inferiores (VAI) de 2%. O nebulizador a jato tem deposição em VAI de 10%, desvantagens: dificulta o transporte e tem débito de fluxo variável. O inalador de pó seco é portátil, ativado pela inspiração e a dose depositada varia de 15 a 40%, desvantagem: necessita de coordenação respiratória. O inalador pressurizado dosimetrado constitui vantagens: deposição nas VAI de 37%, prático e permite uma micropulverização, desvantagem: necessário fluxo inspiratório alto. CONCLUSÃO: A Aerossolterapia objetiva deposição de partículas inferiores a 5 µm nas VAI. Para obter uma concentração idêntica à via inalada nos tecidos das vias aéreas é necessária uma dose maior de medicação pela via oral. Para cada paciente existe um inalador adequado.
Publicado
2017-08-01
Como Citar
GOMES, Camila Pereira; NOGUEIRA, Andressa de Fátima Moura; LEAL, Renata Cristina de Angelo Calsaverini. DIFERENTES DISPOSITIVOS INALATÓRIOS: VANTAGENS E DESVANTAGENS. ANAIS DO FÓRUM DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FUNEC, [S.l.], v. 7, n. 7, ago. 2017. ISSN 2318-745X. Disponível em: <http://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=forum&page=article&op=view&path%5B%5D=2502>. Acesso em: 23 set. 2017.